Com a força de lutadores, Judiciário lança campanha para combater a violência contra a mulher
capa

Com a força de lutadores, Judiciário lança campanha para combater a violência contra a mulher

Iniciativa foi lançada na tarde desta quinta-feira, em Porto Alegre

Por
Gabriel Guedes


publicidade

Com apoio de atletas de artes marciais, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) lançou na tarde desta quinta-feira a campanha de combate à violência doméstica e ao feminicídio #tod@sporelas (Todos por Elas). Uma solenidade, no Ginásio do Centro Estadual de Treinamentos (Cete), no bairro Menino Deus, em Porto Alegre, marcou o lançamento da iniciativa. Ao final, um grupo de mulheres vítimas de violência, do Projeto Borboleta, participaram de uma aula de defesa pessoal. "Nós homens, sabemos do nosso papel. A proteção à mulher e à bandeira da paz. Não podemos mais fazer vistas grossas", afirma o presidente da Federação Gaúcha de Artes Marciais Mistas (FEGAMM), Fernando Rodrigues Cantes, o Mestre Pelé. A entidade apoia institucionalmente a campanha.

Com foco no combate à violência doméstica e familiar e ao feminicídio, a ação conta com o apoio de atletas de MMA, boxe, jiu-jitsu, entre outras modalidades, para levar a mensagem de que, mais do que unir forças para combater de forma efetiva esse tipo de crime, é preciso desconstituir a cultura do machismo.  "É o pior dos crimes. Não existe medida protetiva que antecede. O objetivo é fazer desta campanha algo permanente", defende a a juíza corregedora, Gioconda Fianco Pitt. A corregedora-geral de Justiça, desembargadora Denise Oliveira Cezar, afirma que é preciso desenvolver uma sociedade mais harmoniosa. "Todos nós tivemos uma mãe. E é esta mãe que precisamos proteger", acrescenta.

A campanha une as ações do Judiciário com a força do esporte, norteados pelas filosofias de justiça, igualdade, respeito, disciplina e equilíbrio. Por isso, peças publicitárias foram feitas utilizando as imagens de atletas voluntários. Luvas de boxe brancas, com o nome da campanha estampado em rosa, também foi uma das formas de apresentar a iniciativa.


De acordo com o Atlas da Violência (2019), a média é de 13 mulheres assassinadas no Brasil por dia. A taxa de feminicídios no país é a quinta maior do mundo. Ciúmes, sentimento de posse e inconformidade com a separação figuram entre os principais motivos desses crimes. Os indicadores de violência contra a mulher no RS, divulgados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP), contabilizam que o Rio Grande do Sul teve neste ano, 287 feminicídios tentados e 82 consumados. No Poder Judiciário Estadual, tramitam 1.154 processos de feminicídio (tentados e consumados) e 143.579 processos de violência doméstica. Entre 2015 e 2019, foram aplicadas 457 mil medidas protetivas (sendo 96.136 em 2019).