Com leitos quase lotados, hospitais de Porto Alegre pedem que população adote medidas de proteção

Com leitos quase lotados, hospitais de Porto Alegre pedem que população adote medidas de proteção

Hospitais Moinhos de Vento, Ernesto Dornelles, Divina Providência e Mãe de Deus têm limitações para a entrada de novos pacientes

Cláudio Isaías

publicidade

Quatros hospitais de Porto Alegre estão nesta quarta-feira com restrições no atendimento em função do aumento das internações pela Covid-19. Os hospitais Moinhos de Vento, Ernesto Dornelles, Divina Providência e Mãe de Deus tinham limitações para a entrada de novos pacientes. Ernesto Dornelles e Divina Providência estão recebendo apenas casos com risco de morte.

O Moinhos de Vento completou no final de semana um mês com restrições de atendimento a casos de suspeita de infecção por coronavírus com sintomas leves ou quadro de menor gravidade. O superintendente Médico do Hospital Moinhos de Vento, Luiz Antonio Nasi, informou que mesmo diante da série de medidas adotadas pelas instituições de saúde e autoridades, os índices de novos casos da doença registrados por dia no Rio Grande do Sul e em Porto Alegre nas últimas semanas são os mais altos desde o começo da pandemia.

Em virtude da ocupação máxima dos leitos de internação e do Centro de Terapia Intensiva (CTI) reservados para o tratamento de pacientes infectados pelo coronavírus e das dificuldades de ampliação do número de leitos de retaguarda, o Comitê de Enfrentamento da Covid-19 da instituição decidiu manter as restrições de atendimento a casos leves e seguir priorizando os pacientes em estado grave, até que a situação atual de ocupação seja normalizada e a pandemia retorne aos patamares anteriores.

Nasi fez um apelo à população para que se mantenha atenta às normas de proteção e isolamento. "É fundamental que todos sigam as recomendações das autoridades da área da saúde, utilizando máscaras em todos os momentos e higienizando as mãos e os ambientes de contato. Da mesma forma, deve-se evitar aglomerações, mantendo sempre o distanciamento social, principalmente neste momento", acrescentou.

Na segunda-feira, o Hospital Mãe de Deus flexibilizou as restrições de atendimento na emergência e no Espaço Azul (emergência exclusiva para pacientes com sintomas gripais). Segue vigente a restrição a pacientes classificados como não urgentes (Azul) e pouco urgente (Verde), que continuarão sendo orientados a buscar por atendimento ambulatorial via Telemedicina pelo telefone (51) 3230.6000 ou em outro serviço.

O "sinal de alerta" para a Covid-19 está ligado também em hospitais como Clínicas, Grupo Hospitalar Conceição (GHC), Vila Nova, Independência e Divina Providência que fizeram um apelo para que a população adote as medidas de proteção como o uso de máscara e evite aglomerações. O Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) possui 40 leitos de enfermaria dedicados à Covid-19 e no dia de ontem 39 estavam ocupados por pacientes.

A professora Beatriz Schaan, coordenadora do Grupo de Trabalho para a Preparação do Enfrentamento ao Coronavírus, ressaltou que a situação é de uma enfermaria próxima a lotação, atendendo aos pacientes que vem da Emergência e do CTI quando tem alta. Segundo ela, o alto índice de ocupação reforça a necessidade de que sejam mantidas as medidas de distanciamento, uso de máscaras e higiene de mãos.

No GHC, o diretor-presidente Cláudio Oliveira informou que estão disponíveis no Hospital Conceição 75 leitos - 39 Covid e 36 para não Covid. Além disso, existem 80 leitos de enfermaria para pacientes confirmados e suspeitos. Oliveira disse que no hospital Cristo Redentor voltou a ser utilizada uma UTI retaguarda com dez leitos para não Covid. "Faço um apelo a população para que use máscara e em hipótese alguma façam aglomerações. Os leitos nos hospitais são finitos e não temos mais de onde tirar novas vagas", acrescentou.

O Hospital Vila Nova, na zona Sul de Porto Alegre, informou que está no limite. Dos 66 leitos de enfermaria, somente 20 estão desocupados. No Hospital Independência, dos 60 leitos de enfermaria Covid, 60% estão ocupados. Já o Hospital Divina Providência está com 41,2% de ocupação na unidade de internação Covid. Dos 34 leitos, 14 estão com pacientes.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895