Comerciantes pedem mais flexibilizações na economia gaúcha

Comerciantes pedem mais flexibilizações na economia gaúcha

Movimento no comércio de rua e nos restaurantes de Porto Alegre segue se intensificando

Cláudio Isaías

Aumenta o movimento no comércio de rua

publicidade

Mesmo reconhecendo a situação grave da saúde, principalmente nos hospitais, em razão da pandemia da Covid-19, os lojistas seguem pleiteando a abertura do comércio não essencial porque entendem que estão seguindo todos os protocolos sanitários determinado pelas autoridades. O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre, (CDL/POA), Irio Piva, disse que os varejistas atuam com a maior responsabilidade, seguindo todos os protocolos de segurança e cuidando dos seus funcionários e clientes. O comércio não essencial funciona de segunda a sexta-feira, das 5h às 20h, podendo receber clientes presencialmente, com restrições. Entre 20h e 5h, podem operar somente com tele-entrega. Nos sábados, domingos e feriados, o comércio não essencial fica fechado. Somente é permitido atividades de tele-entrega sem restrições de horário. 

Já a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel no RS) afirmou que o cenário para bares e restaurantes está longe do ideal e gera cada vez mais preocupações. Nos finais de semanas e feriados, todas as atividades estão proibidas, com exceção de supermercados, farmácias e comércio de materiais de construção. A entidade afirma que as medidas das autoridades deviam levar em conta os sábados e domingos e a noite para o setor. "As flexibilizações precisam ajudar de fato o setor. É importante ter continuidade, sem interrupção daqui algumas semanas e com um planejamento para ampliar na sequência”, ressaltou Maria Fernanda Tartoni, presidente da Abrasel no RS.

Conforme Maria Fernanda, o final de semana representa uma fatia significativa no faturamento para os bares e restaurantes. "É o momento em que a maioria das pessoas escolhe sair para comer, seja em almoços ou jantares. É fundamental abrirmos aos sábados, domingos e feriados, pois seriam dias em que poderíamos alavancar às vendas e tentar uma retomada após esse período sem abrir as portas", explicou. Ele afirmou que a entidade segue tentando junto ao governo do Estado uma ampliação nas flexibilizações para abertura aos finais de semana e funcionamento pelo menos até às 22h.

"Além disso, é fundamental termos o auxílio do poder público federal, estadual e municipal para superarmos a grave crise econômica devido à pandemia, como renegociações, isenções de impostos, parcelamentos, cancelamento de cortes e juros sobre serviços, entre outras demandas", acrescentou. Com respeito às regras de distanciamento, os restaurantes de Porto Alegre têm apresentado um movimento intenso de clientes, principalmente no horário do almoço. Nos estabelecimentos localizados no Centro Histórico não havia aglomerações. 

O movimento no comércio de rua e nos restaurantes de Porto Alegre segue se intensificando. Hoje pela manhã, tanto na rua dos Andradas quanto na Doutor Flores o público seguia conferindo as promoções e queima de estoques feitas pelas lojas. Os clientes, segundo os funcionários das lojas, estão respeitando às marcações de distância, que varia entre um e dois metros dentro dos estabelecimentos. Outro ponto de movimento de consumidores é a rua Voluntários da Pátria tinha uma intensa circulação de pessoas e também muitos ambulantes na região oferecendo acessórios para telefones celulares e produtos eletrônicos.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895