Domingo de sol leva grande fluxo de pessoas ao Brique da Redenção em Porto Alegre

Domingo de sol leva grande fluxo de pessoas ao Brique da Redenção em Porto Alegre

Retorno do público trouxe otimismo aos expositores da feira para retomada das vendas

Cláudio Isaías

Retorno do público trouxe otimismo aos expositores da feira para retomada das vendas

publicidade

O domingo de sol e temperatura levou muita gente até o Brique da Redenção, em Porto Alegre. Com a avenida José Bonifácio, bloqueada para a circulação de veículos, o público pode circular com tranquilidade pela via e conferir os produtos oferecidos pelos artesãos. Durante boa parte da manhã, a fiscalização da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Smde), acompanhada de uma viatura da Guarda Municipal, circulou pela região para verificar a presença de ambulantes. O local também recebeu os representantes de diversos partidos políticos que aproveitaram o movimento de pessoas para a entrega de "santinhos" dos candidatos a prefeitura de Porto Alegre e a Câmara de Vereadores.

O expositor Carlos Carneiro, da Couro Arte, que atua na comercialização de cuias, disse que os clientes estão voltando aos poucos. "Ficamos um tempo sem expor nossos produtos em função da pandemia. Agora, é torcer para que as coisas voltem ao normal", ressaltou. Já Rose Wayqamp, que trabalha com a confecção de bonecas, afirmou que não parou na pandemia. "Meu trabalho se intensificou porque trabalhei online com os lojistas. Espero agora o retorno dos clientes na rua", destacou. Ela afirmou que as vendas foram boas no Dia das Crianças, comemorado em 12 de Outubro. "A expectativa é pelo Natal que representa o 13º salário dos expositores", acrescentou. O Brique da Redenção retomou suas atividades no dia 13 de setembro com 25 bancas - o que representou 15% do total dos artesãos. 

A fiscalização da prefeitura tem atuado ao longo de toda a avenida José Bonifácio para coibir a presença de ambulantes irregulares. Segundo a Smde, as feiras livres, inclusive as de hortifrutigranjeiros, artesanato, antiguidades, artes plásticas e gastronomia, fixas e licenciadas pelo Município, podem funcionar com distanciamento mínimo de cinco metros entre as bancas. Está proibido o consumo e a degustação de alimentos, entre outras medidas.

Com 42 anos de existência, o Brique da Redenção é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade. Antes da pandemia da Covid-19, chegava a receber até 50 mil pessoas a cada domingo. Sua origem vem de um movimento organizado de comerciantes de antiguidades - que, em 1978, promoveram o primeiro “mercado das pulgas” na região. Em 1982, os artesãos que comercializavam as suas mercadorias no interior do Parque Farroupilha se incorporaram aos antiquários, acrescentando novos atrativos ao Brique - que ainda receberia uma área para gastronomia e de artes plásticas. Atualmente, o Brique também abriga um variado número de artistas de rua e músicos. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895