Donos de carros antigos protestam contra proposta de reforma tributária do governo estadual

Donos de carros antigos protestam contra proposta de reforma tributária do governo estadual

Carreata foi realizada no sábado à tarde em Porto Alegre

Cláudio Isaías

Carros antigos seguiram até o Palácio Piratini e Assembleia Legislativa, no Centro Histórico

publicidade

Uma carreata com veículos antigos realizada no sábado à tarde protestou contra as propostas da reforma tributária, apresentadas pelo governo Eduardo Leite. No ato, os proprietários dos automóveis criticaram também o aumento do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 3% para 3,5% foi realizada no sábado à tarde em Porto Alegre. Os veículos que saíram do posto Garoupa, na avenida Assis Brasil, na zona Norte, estavam com adesivos colocados nos carros contra as medidas do Executivo estadual. Ele seguiram até o Palácio Piratini e Assembleia Legislativa, no Centro Histórico. No Legislativo, eles colocaram um cartaz com uma mensagem aos deputados estaduais: Não à reforma tributária e a foto de cada um dos 55 parlamentares. 

Eduardo Konzen, um dos organizadores da manifestação, disse que o pacote da reforma tributária apresentado pelo governo estadual vai resultar em um aumento anual de R$ 3 bilhões em impostos."Jogar para a população aumento de impostos não é correto". Segundo ele, os frequentadores de clubes de automóveis antigos que não viram com bons olhos majorar o tempo de 20 para 40 anos a isenção. "Temos sócios que tem no carro antigo o seu carro de trabalho", ressaltou. 

Conforme Konzen, é um absurdo que um veículo antigo volte a pagar IPVA. "Além dos veículos automotores, nós temos um pacote tributário apresentado pelo governo do Estado que vai aumentar itens da cesta básica que também não é bom para a sociedade. A população tem que entender que esse projeto resulta em aumento de impostos e que o Executivo vai arrecadar R$ 3 bilhões a mais", acrescentou. Dezenas de veículos antigos, com mais de 20 anos de fabricação, passaram por algumas das principais vias da cidade, como as avenidas Assis Brasil, João Wallig, Nilo Peçanha, Ipiranga, Protásio Alves e Praia de Belas. Os veículos foram escoltados por uma viatura da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) até a rua Duque de Caxias. Diversos veículos estavam com a mensagem "IPVA Não". 

A proposta de Reforma Tributária RS foi apresentada há quase dois meses pelo governo estadual. Desde então, o governador Eduardo Leite tem feito uma série de encontros pelo interior do Estado com a intenção de esclarecer dúvidas e desfazer alguns entendimentos, que segundo o Executivo estadual, são equivocados em torno da proposta. Com o conjunto de medidas reunidos em três projetos de lei já enviados à Assembleia Legislativa, o governo afirma que não propõe aumento de carga tributária.

Existiria, inclusive, redução em torno de R$ 194,7 milhões na arrecadação, mantendo o Rio Grande do Sul entre as menores cargas tributárias em relação ao PIB no país. O Executivo diz que a aprovação da Reforma Tributária RS se torna necessária na medida em que, ao final deste ano, se encerra o prazo de majoração das alíquotas de ICMS. Assim, o Estado deixará de arrecadar R$ 2,85 bilhões, dos quais R$ 850 milhões são dos municípios. O resultado, conforme o governo do Estado, será a precariedade de serviços essenciais, como saúde, infraestrutura e segurança, tanto em âmbito estadual como municipal.


 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895