Editais para o retorno de pedalinhos e espaço gastronômico à Redenção são lançados em Porto Alegre

Editais para o retorno de pedalinhos e espaço gastronômico à Redenção são lançados em Porto Alegre

Local com bares, lancherias e cafés ficará entre o espelho d' água e o lago do Parque

Correio do Povo

Editais para o retorno de pedalinhos e espaço gastronômico à Redenção são lançados em Porto Alegre

publicidade

Dois editais para o retorno de um espaço gastronômico e dos pedalinhos na Redenção, em Porto Alegre, foram lançados nesta quinta-feira pela prefeitura. As duas licitações estão publicadas no Diário Oficial da cidade (Dopa). 

Conforme a prefeitura, uma das concorrências públicas permitirá o uso de atividade comercial relacionada à gastronomia, como café, restaurante, bar, lancheria ou sorveteria. O local ficará entre o espelho d' água e o lago do Parque da Redenção. A ideia é que o complexo tenha contêineres de 29,30 metros quadrados, além de um em específico para sanitário. 

A estrutura ainda prevê um pergolado de 6x2,50 metros e um pátio de serviço de 128 metros quadrados, ocupando área externa total de 750 metros quadrados para atendimento ao ar livre com mesas, cadeiras e guarda-sóis. No que diz respeito aos pedalinhos, a intenção é para que sejam instalados nos espaços do embarcadouro e no postinho. A atração turística está desativada desde 2018. 

A recuperação do trenzinho na Redenção será feita com um veículo composto por uma locomotiva e vagão para comportar no mínimo de 20 passageiros. O equipamento deverá ser dimensionado para circular em um percurso de aproximadamente 2.500 metros sem paradas intermediárias e abastecimento. 

O prazo de vigência da permissão de uso será de cinco anos e pode ser prorrogado. O valor a ser pago mensalmente ao município foi definido pela Secretaria Municipal da Fazenda em R$ 4.830,00. O julgamento das propostas será feito pelo critério de maior valor de outorga inicial, estipulada em valor mínimo de R$ 19.320,00, equivalente a quatro meses de permissão de uso.

“O valor pago mensalmente pela empresa poderá ser transformado em contrapartida para manutenção do próprio parque, trazendo mais benefícios para a Redenção”, explica o secretário do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade (Smamus), Germano Bremm.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895