Emocionados, familiares e vítimas da Kiss deixam Foro Central de Porto Alegre

Emocionados, familiares e vítimas da Kiss deixam Foro Central de Porto Alegre

Réus foram condenados pela morte de 242 pessoas na tragédia do incêndio da boate Kiss

Correio do Povo

Réus foram condenados pela morte de 242 pessoas na tragédia do incêndio da boate Kiss

publicidade

Familiares e sobreviventes da tragédia da boate Kiss reagiram com emoção à sentença de condenação dos quatro réus pela morte de 242 pessoas no incêndio em Santa Maria há oito anos. Durante a leitura feita pelo juiz Orlando Faccine Neto, na tarde desta sexta-feira, houve choro e abraços na plateia do plenário. A maioria  usava camiseta pedindo justiça pela tragédia que também deixou mais de 600 feridos.

Do lado de fora do Foro Central de Porto Alegre, onde o julgamento ocorre desde 1º de dezembro, pessoas relataram sentimento de justiça pela tragédia e satisfação com as penas imputadas. 

De acordo com o presidente da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria, Flávio da Silva, a expectatuva dos familiares é de ficar em Porto Alegre até este domingo. Eles estão hospedados em hotéis de Porto Alegre, próximos aos Foro Central, na região Central da Capital. 

"Não viemos um busca de vingança, mas sim de justiça", disse Kellen Giovana Leite Ferreira, sobrevivente da tragédia, que depôs no primeiro dia do julgamento. Kellen ficou internada em Porto Alegre por 78 dias, sendo 15 deles em coma induzido. Ela passou por diversas cirurgias de enxerto de pele, em razão das queimaduras sofridas, e de colocação de prótese. A vítima da tragédia perdeu parte da perna no incêndio.

Os réus deixaram o plenário em condição de Habeas Corpus preventivo. 

Sentenças: 

Elissandro Callegaro Spohr 
Pena base: 15 anos
Pena final: 22 anos e 6meses 

Mauro Londero Hoffmann 
Pena base: 13 anos
Pena final: 19 anos e 6meses 

Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão
Pena base: 12 anos
Pena final: 18 anos 

Foto: Sid de Jesus


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895