Escola tem atividades canceladas após assalto na zona Sul de Porto Alegre

Escola tem atividades canceladas após assalto na zona Sul de Porto Alegre

Criminosos roubaram dinheiro destinado a passeio e formatura dos alunos

Eduardo Amaral

Criminosos roubaram dinheiro destinado a passeio e formatura dos alunos

publicidade

“Vamos fazer tudo que planejamos, só não sei como”, essa é a frase que guia a diretora da Escola Municipal de Educação Infantil Osmar Santos Freitas (Marzico), Alice Castilho, após o local ter sido arrombado entre a noite de terça-feira e madrugada de quarta-feira. Na ocasião, os ladrões levaram R$ 4 mil da escola localizada no Morro Santa Teresa, zona Sul de Porto Alegre. O dinheiro estava reservado para os passeios dos alunos, festa de Natal e formatura da turma de Jardim B.

Com um orçamento trimestral de aproximadamente R$ 12 mil, é através de rifas e brechós que os gestores da instituição, juntamente com a comunidade escolar, conseguem garantir atividades extracurriculares para os 126 alunos entre 0 a 6 anos que estudam na Marzico. Durante todo ano os professores e o Conselho de Pais e Mestres (CPM) organizou diversos eventos para arrecadar R$ 4 mil, dinheiro que seria usado em um passeio da turma de jardim B, que iria visitar o zoológico nesta quinta-feira, atividade que teve de ser cancelada pela falta de verbas. Outro passeio estava previsto para a Quinta da Estância, em Viamão, e este foi garantido graças a empresa que doou o passeio aos estudantes da escola. 

A verba curta destinada para o custeio da escola não consegue cobrir os custos dessas atividades, que são garantidas graças também ao apoio dos professores que adotam um aluno do jardim B, último ano da escola, e doam R$ 100 anualmente para garantir que todos participem dos passeios. Além de escasso, o recurso também costuma atrasar, como aconteceu no início de 2019, já que o governo depositou apenas em dinheiro o valor referente a outubro de 2018. Em uma situação dessas, um roubo gera um impacto direto nas ações pedagógicas programadas, e resta apelar para ajuda da comunidade e pedido de doações, como explica a vice-diretora da escola, Martina Benitez. “Estamos com ações e contamos com a ajuda da comunidade para conseguir realizar o que planejamos”, diz ela fazendo referência à formatura e Festa de Natal, agendadas para os dias 18 e 19 de dezembro. 

Os prejuízos não ficaram restritos ao dinheiro roubado, já que os ladrões também levaram objetos, arrombaram portas e destruíram câmeras e alarmes. No cálculo da escola o resultado do roubo foi uma perda de aproximadamente R$ 6 mil, que só não foi maior porque parte dos objetos roubados foram encontrados na manhã desta quinta-feira.

Segundo Martina, apenas na troca de fechaduras foram gastos R$ 600, dinheiro que agora elas tentarão repor com o governo. A Marzico é rodeada por outras escolas, sendo duas infantis, e os problemas de furtos são recorrentes nas instituições vizinhas, sendo que duas foram atacadas nos últimos meses. 

Depois de ficar por dois dias fechada, a escola reabre nesta sexta-feira. Aos pais restou explicar os motivos para as crianças sobre os dias sem aula e o cancelamento do passeio tão esperado. “Com quatro anos é difícil para ela entender os motivos. Ela só falava no passeio”, conta a presidente do CPM da Marzico, Márcia Regina Conze, mãe de uma das estudantes da escola.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895