Estátua do Laçador tem máscara retirada em Porto Alegre

Estátua do Laçador tem máscara retirada em Porto Alegre

Item deveria permanecer no monumento por 60 dias

Correio do Povo

Guarda Municipal pretende intensificar vigilância no local para evitar novo ato de vandalismo

publicidade

A máscara contra a Covid-19, colocada no domingo passado no Monumento ao Laçador, ao lado da BR 116, em Porto Alegre, foi alvo de vandalismo. A “proteção facial”, medindo 38 cm de altura por 46 cm de comprimento, sendo feita de tecido cirúrgico, totalmente de algodão, de cor azulada, foi arrancada durante a madrugada desta terça-feira. Responsável pela intervenção artística devidamente autorizada pela Secretaria Municipal de Cultura, a costureira Samanta Almeida, 34 anos, lamentou o ataque à reportagem do Correio do Povo.

Segundo Samanta Almeida, o ato dividiu opiniões nas redes sociais. “Várias pessoas criticaram um monumento ao gaúcho ter máscara”, observou. No entanto, ela não sabe quem foi o responsável pelo ataque pois as manifestações contrárias vieram de vários segmentos. “A coisa está muito política. Tem um movimento contrário à máscara”, avaliou. “As pessoas estão morrendo. É tão simples o ato de botar uma máscara e sair para a rua”, alertou. Ela recordou que a Covid-19 está retornado com força, por exemplo, na Europa. “Não tem vacina ainda. Temos de se cuidar…”, advertiu.

A costureira conversou com o comandante da Guarda Municipal, Marcelo do Nascimento, sobre a situação depois que for colocada a segunda máscara que já estava pronta. “Eles vão intensificar a ronda na volta para que não tirem”, resumiu. A instalação do acessório na estátua está prevista para o início desta tarde com auxílio da própria Prefeitura de Porto Alegre. A permanência do item deve ser de 60 dias. A iniciativa surgiu quando Samanta Almeida foi desafiada no dia 7 deste mês pelo médico João Batista Pires a colocar o adereço no monumento.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895