"Estamos em um novo platô", avalia secretário adjunto de Porto Alegre sobre Covid-19

"Estamos em um novo platô", avalia secretário adjunto de Porto Alegre sobre Covid-19

Segundo Natan Katz, os números pararam de reduzir como em agosto, mas seguem estáveis há pelo menos três semanas

Jessica Hübler

O momento atual, no entendimento de Katz, é o esperado

publicidade

Dos 661 pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de Porto Alegre na tarde de quarta-feira, 234 tinham diagnóstico positivo da Covid-19 e outros 19 estavam com suspeita, o que representava 38,27% do total de internações. Além disso, 11 pacientes confirmados do novo coronavírus estavam em emergências aguardando por leitos de UTI. A lotação geral dos hospitais da Capital era de 88,96%. Conforme o secretário adjunto de Porto Alegre, Natan Katz, a ocupação de leitos especificamente com pacientes da Covid-19 demonstra estabilidade há pelo menos três semanas.

"Temos os mesmos números, variando um pouco para mais ou para menos, mostrando que chegamos em um novo platô. Parou de cair como estava desde o fim de agosto", afirma. Segundo ele, o que vem acontecendo nas últimas semanas é um aumento da procura, principalmente nas emergências, de pacientes com outras doenças. "Isso tem dado uma pressão maior sobre os hospitais. Em muitos casos as pessoas deixavam de procurar atendimento na pior fase da pandemia aqui e agora isso está mais intenso", revela.

O momento atual, no entendimento de Katz, é o esperado. O desafio agora é que os hospitais consigam retomar os atendimentos usuais como internações, emergências, cirurgias eletivas, consultas ambulatoriais e exames, com o manejo dos pacientes com novo coronavírus.

"Tudo isso tem colocado uma pressão maior no sistema", frisa. A estabilidade nas internações de pacientes com a Covid-19, ainda conforme Katz, é um alerta. "Não é nada que não fosse possível de acontecer, tivemos uma curva de distribuição da doença diferente de outros lugares do mundo, então nada do que está acontecendo nos causa estranheza, mas realmente temos que ficar em alerta para ver se não vai acelerar de novo", enfatiza.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895