"Este é o segundo incêndio em que perco tudo", diz moradora da Vila Liberdade
capa

"Este é o segundo incêndio em que perco tudo", diz moradora da Vila Liberdade

Incêndio consumiu quatro residências no bairro Farrapos, próximo da Arena do Grêmio

Por
Cláudio Isaías

Bombeiros tiveram dificuldades em conter as chamas devido a acesso através de vielas e presença de "gatos" na rede elétrica

publicidade

Um incêndio destruiu, na manhã deste sábado, quatro casas de madeira na Vila Liberdade, bairro Farrapos, próximo à Arena do Grêmio, na zona Norte de Porto Alegre. O fogo começou por volta das 6h30min. Três caminhões do Corpo de Bombeiros foram deslocados para controlar o incêndio, que destruiu totalmente as quatro residências. Equipes da Companhaia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) estiveram no local para desligar a rede na região. Ninguém ficou ferido. Alguns moradores da área já tinham sido vítimas de outro incêndio na região, em janeiro de 2013, como foi o caso da dona de casa Luciléia Oliveira Marcelino da Rosa, 37 anos, casada e mãe de quatro filhos. 

Naquela ocorrência, mesmo dia da tragédia da Boate Kiss, cerca de 190 pessoas ficaram desalojadas com o incêndio na Vila Liberdade. Residente há mais de 20 anos na região, a dona de casa disse que o incêndio teria começado pela casa da sua irmã e depois teria passado para a dela. "Senti aquele cheiro de queimado e me acordei. Não deu tempo de salvar nada porque não tinha água nos baldes" recordou a dona de casa que conseguiu acordar o filho Cauã, de cinco anos.

A criança quase foi atingida pelo fogo nessa manhã. "As chamas estavam no travesseiro do meu filho e não deu tempo de chamar ninguém. Salvei meu filho de cinco anos", recordou. Ela disse que tentou pegar os documentos da família, mas não deu tempo. "Não tenho ideia onde vou ficar com a família. Este é o segundo incêndio em que perco tudo", acrescentou. 

Segundo a Associação dos Moradores da Vila Liberdade, cerca de 700 famílias (2.800 pessoas entre adultos e crianças) vivem na região que sofre com a falta de infraestrutura e saneamento. No momento do incêndio, os seis integrantes da família de Luciléia estavam em casa - o marido, a esposa e os quatro filhos de 5, 8, 11 e 13 anos.

O presidente da Associação de Moradores da Vila Liberdade, Erlon de Lima, informou que as casas haviam sido construídas após um incêndio ter atingido a região em 2013. No dia 27 de janeiro de 2013, o fogo destruiu 90 casas e desalojou mais de 190 famílias. Naquela época, o principal foco de fogo foi registrado em um beco próximo da rua 6, a chamada "Vilinha" junto ao quilômetro 94 da BR 290, a Freeway. 

 

Bombeiros levaram mais de uma hora para conter as chamas. Foto: Guilherme Testa

Falta de estrutura e "gatos"

O 1º tenente Rafael Vieira Cabral, do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul, informou que as causas do incêndio serão investigadas. "Trabalhamos para evitar que o fogo não se alastrasse para outras residências". 

O agente ainda destacou a dificuldade dos bombeiros em atender a ocorrência devido o acesso à Vila Liberdade e aos "gatos" na rede elétrica, que poderiam ocasionar choques no contato com a água. As chamas puderam ser vistas do viaduto da BR 448, a Rodovia do Parque. O fogo foi controlado por volta das 7h30min. No entanto, os bombeiros ainda trabalharam por mais uma hora no rescaldo das casas afetadas pelo fogo.