EUA passa de 90.000 mortes e 1,5 milhão de casos de Covid-19
capa

EUA passa de 90.000 mortes e 1,5 milhão de casos de Covid-19

Contagem revela um salto de 10.000 óbitos pelo novo coronavírus em uma semana

Por
AFP

Nova York representa quase um terço das mortes reportadas nos EUA

publicidade

Os Estados Unidos superaram nesta segunda-feira a marca das 90.000 mortes e do 1,5 milhão de casos registrados de Covid-19, segundo contagem da Universidade Johns Hopkins, que revelou um salto de 10.000 óbitos pelo novo coronavírus em uma semana.

A marca dos 80.000 mortos foi cruzada na segunda-feira passada e a dos 50.000, há pouco mais de três semanas (24 de abril). Os Estados Unidos são de longe o país do mundo que, segundo cifras oficiais, tem o maior número de mortes e casos detectados da doença.

No entanto, levando em conta o tamanho da população, países europeus, como Bélgica, Espanha, Reino Unido, Itália, França, e inclusive Suécia têm mais mortes por milhão de habitantes, segundo o site de estatísticas Worldometer.

Só o estado de Nova York representa quase um terço das mortes reportadas nos Estados Unidos, com mais de 28.300 óbitos relacionados com a doença, segundo a Universidade Johns Hopkins. As autoridades estaduais contabilizavam apenas 22.700 mortes, mas esta cifra não incluiu, entre outras, as mortes "provavelmente relacionadas" com o vírus, que são de vários milhares, segundo a cidade.

Espera-se que os Estados Unidos registrem 112.000 mortes antes de 6 de junho, segundo média de 20 modelos epidemiológicos produzidos por pesquisadores da Universidade de Massachusetts. No país, foram realizados quase 11,5 milhões de testes, segundo a Universidade Johns Hopkins, e 272.000 pessoas se declararam curadas.

A pandemia do novo coronavírus matou mais de 316.000 pessoas em todo o mundo desde que surgiu em dezembro na China, segundo um informe da AFP, com base em fontes oficiais.