Falta da segunda dose em postos de vacinação provoca frustração em Porto Alegre

Falta da segunda dose em postos de vacinação provoca frustração em Porto Alegre

Funcionários da unidade Santa Marta passaram o telefone para que público se informe antes de sair de casa para a imunização

Cláudio Isaías

Falta da segunda dose em postos de vacinação frustra pessoas em Porto Alegre

publicidade

Os postos de saúde de Porto Alegre e o drive-thru do estacionamento da PUCRS viveram nesta quarta-feira dois momentos bem distintos. Desde as primeiras horas da manhã, as 15 unidades onde era permitida a imunização contra a Covid-19 tiveram um movimento intenso de pessoas em busca da aplicação da segunda dose da Coronavac/Instituto Butantan. No Centro de Saúde Modelo, no Santa Marta e nas unidades de saúde Camaquã e Santa Cecília, o público ficou revoltado com a falta do imunizante.

No Santa Marta, no Centro Histórico, os funcionários perderam a conta de quantas pessoas passaram pelo local em busca de informações sobre a segunda dose da vacina. A dona de casa Elza Medeiros, 68 anos, moradora da rua Riachuelo, disse ter ficado chateada com a situação. "Estava indo tudo tão bem e agora essa notícia de falta da vacina. Lamentável", ressaltou. 

Veja Também

Os funcionários do Santa Marta chegaram a passar o telefone da unidade de saúde para que as pessoas ligassem antes de sair de casa. A equipe de vigilância do posto a todo o momento informava sobre a falta do imunizante. Além disso, eles disseram que apenas a primeira aplicação do imunizante da Astrazeneca/Oxford estava sendo realizada para pessoas com 60 anos ou mais. Na unidade de saúde Camaquã e no Modelo, o ponto de vacinação para receber a primeira aplicação da Astrazeneca tinha poucas pessoas. No posto de saúde Camaquã, na zona Sul de Porto Alegre, os funcionários informaram que muitos idosos foram até o local achando que receberiam a segunda dose da vacina da Coronavac.  

Falta de doses diminui locais de aplicação 

Em função da redução de doses, o número de locais para aplicação da vacina também sofreu alteração: antes da falta do imunizante eram 30 unidades de saúde que realizavam a imunização - hoje foram 15 postos que funcionaram das 8h às 17h. Além disso, há apenas um drive-thru - o do estacionamento da PUCRS funcionou das 9h às 17h. Quem foi até o estacionamento da universidade acabou deixando o local frustrado.

Cerca de 50 veículos estacionaram na faixa da direita da avenida Ipiranga e o grupo queria tomar a segunda dose da Coronavac. A vacina deixou de ser aplicada na tarde de terça-feira com o fim dos estoques. Mesmo alertado pelos servidores da Saúde e pelo militares do Exército de que as vacinas no local eram da AstraZeneca/Oxford, alguns motoristas decidiram permanecer no local. 

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informou que os estoques de vacinas AstraZeneca para a primeira dose são suficientes para manter a vacinação dos idosos com 60 anos ou mais, não sendo necessário a formação de filas nos postos de atendimento. O avanço para a próxima categoria a ser vacinada, pessoas com comorbidades, depende, da chegada de nova remessa.

As remessas menores que o esperado são efeito direto da suspensão na produção do Instituto Butantan há duas semanas, por conta do atraso na entrega do IFA, insumo importado da China para produção da Coronavac no Brasil.  Um novo lote de Coronavac deverá chegar a Porto Alegre a partir da próxima semana. A previsão do Instituto Butantan é entregar um novo lote ao Ministério da Saúde no dia 3 de maio. Depois disso as vacinas ainda terão que ser remetidas aos estados, e então aos municípios.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895