capa

Famílias são retiradas de áreas próximas de barragem que rompeu na Bahia

Lama nas estradas dificulta o acesso e o atendimento à população

Por
AE e Agência Brasil

Barragem se rompeu entre Pedro Alexandre e Coronel João de Sá, no interior da Bahia

publicidade

A barragem Quati se rompeu na manhã desta quinta-feira, 11, no povoado de Pedro Alexandre (BA), localizado a 437 quilômetros de Salvador. Não há relatos de mortes e feridos. De acordo com a Defesa Civil da cidade, o excesso de chuva na região do Rio do Peixe pode ter contribuído para o rompimento da barragem, que pertence, segundo o órgão, ao governo do Estado da Bahia. A Defesa Civil já iniciou a retirada de famílias das áreas mais próximas da barragem. "Uma rua inteira está sendo evacuada, provavelmente será atingida, pois praticamente será o percurso da água", confirmou nota da Guarnição da unidade do 15° Batalhão do Corpo de Bombeiros de Paulo Afonso.

A barragem de água se rompeu às 11h no distrito de Quati. Segundo Carla Leão, coordenadora da Defesa Civil de Pedro Alexandre, em 24 horas choveu cerca de 100 milímetros na região. "Desde as 7h20min nós já estávamos avisando a população da região. Fomos avisando via internet e ligando para que os moradores deixasse suas residências", disse Carla. De acordo com a Defesa Civil local, três casas ficaram inundadas e a cidade segue ilhada pela quantidade de água e lama na região. 

A Superintendência de Defesa Civil da Bahia (Sudec) informou que a grande quantidade de lama nas estradas dificulta o acesso e o atendimento à população. Temendo que o lamaçal alcance a cidade, o prefeito do município vizinho Coronel João Sá, Carlinhos Sobral, usou as redes sociais para alertar a população a procurar ajuda. 

Na postagem, o gestor cita as escolas municipais disponíveis para acolher a comunidade. Em nota, a Agência Nacional de Águas (ANA) informou que tomou conhecimento do rompimento da barragem Quati e que acompanha a situação. "Por se tratar de uma barragem em rio estadual, a fiscalização desse açude não compete à ANA, e sim à autoridade competente no estado da Bahia".