Feira do Livro de Porto Alegre deve promover eventos presenciais e virtuais em 2020

Feira do Livro de Porto Alegre deve promover eventos presenciais e virtuais em 2020

Faltando pouco mais de cinco meses para o evento, Câmara do Livro antecipa que parte da programação deve ser física, e parte online, a fim de evitar aglomerações

Rádio Guaíba / Camila Diesel

A Câmara trabalha para intensificar vendas virtuais e incentivar a compra em livrarias locais

publicidade

Faltando pouco mais de cinco meses para o início da 66ª Feira do Livro de Porto Alegre, a Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL) projeta a utilização de plataformas digitais para que o evento não fique comprometido. A cada ano, mais de um milhão de pessoas visita a Praça da Alfândega, no Centro Histórico de Porto Alegre, e compra cerca de 200 mil volumes. Em 2020, a feira deve acontecer de 1 a 15 de novembro.

Seguindo o exemplo do que acontece em outras partes do mundo, em que feiras literárias já anunciaram a realização online, na capital gaúcha a perspectiva é de que o evento seja híbrido. “Talvez com número menor de pessoas, sem aglomerações, e uma boa parte do evento virtual”, explicou o presidente da CRL, Isatir Bottim Filho.

Em entrevista ao Set Guaíba, Bottim Filho disse que a Câmara aguarda os próximos acontecimentos em relação à doença e aos eventos culturais pelo mundo programados para o ano de 2020. “A gente está aguardando. Há pouco ocorreu uma feira em Bogotá e outra em Bolonha totalmente online. Agora temos notícias de que a feira de Frankfurt, em outubro, vai ser híbrida. Agora é uma questão de tempo, de ver se vai ser possível. As incertezas ainda são muito grandes”, projetou.

Para Bottim Filho, a pandemia agravou o quadro do mercado editorial local, que já vinha sofrendo com o impacto de grandes redes de distribuição. Ele qualifica a situação como catastrófica, mas entende que é uma oportunidade de reinvenção e de maior adesão a plataformas online.

A Câmara trabalha para intensificar vendas virtuais e incentivar a compra em livrarias locais. “Estamos lançando hoje a campanha ‘Bom Negócio é Comprar de Um Livreiro Local’. Acreditamos que comprar de pequenas livrarias é uma maneira mais rápida de dar suporte a esse mercado tão abalado”, disse. A campanha está disponível nas redes sociais da CRL.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895