França tem maior queda do PIB desde maio de 1968: -13,8%

França tem maior queda do PIB desde maio de 1968: -13,8%

Valor do segundo trimestre foi, no entanto, inferior ao previsto por analistas, que projetavam um retrocesso de 17%

Correio do Povo e AFP

É também o menor valor desde que o índice foi criado, em 1949

publicidade

O Produto Interno Bruto (PIB) da França registrou uma queda histórica de 13,8% no segundo trimestre devido à pandemia de coronavírus, anunciou nesta sexta-feira o Instituo Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos (Insee). O dado representa uma queda recorde desde o início do cálculo da atividade econômica trimestral. O instituto revisou a queda do PIB no primeiro trimestre a -5,9%, contra -5,3% anunciado em um primeiro momento.

A queda da atividade no segundo foi, no entanto, inferior ao previsto por analistas e pelo próprio Insee, que projetavam um retrocesso de 17%. "A evolução negativa do PIB no primeiro semestre de 2020 está relacionada com a interrupção das atividades 'não essenciais' no contexto do confinamento em vigor entre meados de março e o início de maio", afirmou o instituto em um comunicado.

O Insee prevê, no entanto, uma recuperação no terceiro trimestre de +19%. A queda trimestral mais expressiva do PIB antes da crise do coronavírus havia sido registrada no segundo trimestre de 1968, em consequência da greve geral do mês de maio daquele ano. É também o menor valor desde que o índice foi criado, em 1949. 

Contenção introduzida entre 17 de março e 11 de maio, com o fechamento de negócios não essenciais, a paralisação dos locais de produção e obras, resultou em um declínio líquido da atividade, ainda mais forte do que no primeiro trimestre, com a passagem revisada para baixo (-5,9%, contra -5,3%). "Isso é prova de que a ação política (...) é eficaz", afirmou o ministro da Economia, Bruno Le Maire, depois que os números foram publicados no CNEWS. “Nós não somos impotentes diante da crise. "No entanto, a queda é mais forte do que na Alemanha (-10,1%)

Em detalhes, o consumo das famílias, 35% menor que o normal durante a contenção, caiu 11%. Sem surpresa, os franceses, cujo poder de compra começou a declinar no primeiro trimestre (-0,3%), gastaram menos em serviços (-15,3%). No entanto, seu consumo se recuperou assim que as lojas foram reabertas: em maio, houve um aumento de 36,6%, segundo o Insee, e voltou acima do nível de fevereiro em junho.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895