Furacão Laura deixa 14 mortos no Sul dos EUA, mas menos danos que previsto

Furacão Laura deixa 14 mortos no Sul dos EUA, mas menos danos que previsto

Além das mortes, milhares de pessoas tiveram que deixar suas residências nos estados de Luisiana e Texas

AFP

Casas destruídas no estado da Luisiana

publicidade

Um dos mais violentos a atingir o estado de Louisiana em mais de 150 anos, o furacão Laura deixou pelo menos 14 mortos no Sul dos Estados Unidos, mas causou menos danos do que se antecipava.

"Podemos ficar aliviados", disse o governador de Louisiana, John Bel Edwards, em entrevista coletiva, enfatizando que seu estado não sofreu as "devastações catastróficas" anunciadas. "Embora tenhamos sofrido muitos danos", frisou, referindo-se à "vida despedaçada" de milhares de habitantes.

Em seu caminho pelo Caribe, Laura já havia causado grandes enchentes há uma semana no Haiti e na República Dominicana. Pelo menos 31 pessoas morreram no primeiro, e quatro, no segundo.

Transformando-se em uma tempestade tropical na tarde de quinta-feira, Laura se fortaleceu novamente antes de atingir os Estados Unidos como um furacão de categoria 4 (de uma escala máxima de 5), por volta da 1h local (3h de sexta em Brasília).

Chegou pela cidade costeira de Cameron, perto da fronteira com o Texas, no Golfo do México, com ventos de 240 km/h, de acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC, sigla em inglês).

Laura é o furacão mais potente a atingir Louisiana em um século e meio, conforme dados coletados pelo pesquisador da Universidade do Colorado e especialista em furacões Philip Klotzbach.

A passagem do furacão deixou pelo menos dez mortos neste estado, e quatro, no vizinho Texas. A maioria faleceu pela inalação de monóxido de carbono emitido por geradores elétricos portáteis usados em ambientes fechados, devido aos cortes de energia.

Outras quatro pessoas perderam a vida em Louisiana, devido à queda de árvores sobre suas casas. Uma outra vítima morreu afogada, no naufrágio de seu barco provocado pelos fortes ventos.

Na sexta-feira, havia 464.813 usuários sem eletricidade em Louisiana. A violência do vento quebrou as janelas de um grande prédio em Lake Charles, uma cidade da Louisiana conhecida por suas refinarias de petróleo, a principal fonte econômica da região.

Na mesma localidade, foi registrado o incêndio em uma fábrica de produtos químicos. A ocorrência gerou uma nuvem tóxica gigantesca que obrigou os moradores a se refugiarem em suas casas.

De furação a tormenta tropical

Os meteorologistas alertaram sobre o risco de inundações no norte da Louisiana e no sul do Arkansas. O presidente Donald Trump anunciou que visitará Texas e Louisiana "sábado, ou domingo".

Quinze anos após o furacão Katrina, que devastou Nova Orleans e afetou profundamente os habitantes de Louisiana, as autoridades locais aconselharam a população a ter cautela.

Mais de 1,5 milhão de pessoas receberam ordens de evacuação em Louisiana e Texas, um dos estados dos EUA mais afetados pela pandemia da covid-19. Novos protocolos foram estabelecidos nos centros de acolhimento para manter a distância física entre os abrigados.

A temporada de furacões no Atlântico, que vai de 1º de junho a 30 de novembro, anuncia-se particularmente intensa este ano, segundo o NHC. Laura é o 12o.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895