Governador de São Paulo afirma que vacina chinesa para Covid-19 pode ser lançada este ano

Governador de São Paulo afirma que vacina chinesa para Covid-19 pode ser lançada este ano

A vacina produz uma resposta imunológica em 98% dos pacientes com mais de 60 anos de idade

AFP

"Até agora os resultados têm sido extremamente positivos", acrescentou João Doria

publicidade

Testes clínicos no Brasil de uma vacina chinesa contra Covid-19 mostraram resultados "extremamente positivos" e uma ampla campanha de vacinação pode começar em dezembro, disse o governador de São Paulo, João Doria, nesta quarta-feira.

São Paulo, epicentro da pandemia de coronavírus no Brasil, é um dos seis estados onde está sendo testada a vacina CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech. A vacina produz uma resposta imunológica em 98% dos pacientes com mais de 60 anos de idade, sem efeitos colaterais relatados até o momento, disse Doria.

"Até agora os resultados têm sido extremamente positivos", acrescentou o governador tucano em entrevista coletiva. "Em breve teremos a vacina CoronaVac para imunizar os brasileiros de São Paulo e de todo o país". A perspectiva de entrega é em dezembro deste ano", afirmou.

A Sinovac firmou parceria com o Instituto Butantan, centro de saúde do estado de São Paulo, para desenvolver a fase 3 dos ensaios clínicos da vacina, última fase que deve ser aprovada para obter a aprovação.

O acordo dá ao Instituto o direito de produzir 120 milhões de doses da vacina, segundo autoridades. No entanto, a vacina CoronaVac é alvo de uma batalha política no Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro, cujo gabinete tem vivido tensões com a China, criticou a vacina e atacou Doria, um de seus principais adversários políticos, por ter escolhido essa abordagem.

O presidente, por outro lado, destinou 1,9 bilhão de reais para a compra da vacina que a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca desenvolvem em conjunto. Os ensaios da vacina, que também estava em teste no Brasil, foram suspensos na terça-feira depois que um voluntário desenvolveu uma doença inexplicável, situação descrita pela empresa como "rotineira".

O Brasil é o segundo país em número de vítimas fatais da pandemia, depois dos Estados Unidos, com mais de 127 mil mortes, e o terceiro em número de infectados, com 4,1 milhões de casos. O país tornou-se o epicentro dos testes para as vacinas mais avançadas contra a covid-19.

A empresa de medicina diagnóstica Dasa e a fabricante de vacinas dos EUA COVAXX anunciaram um acordo nesta quarta-feira para começar os testes das fases 2 e 3 de sua nova vacina contra o coronavírus no Brasil.

COVAXX, subsidiária da US United Biomedical, planeja aplicar a vacina em pelo menos 3.000 voluntários no Brasil.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895