Indústria e construção civil criticam restrições em Porto Alegre

Indústria e construção civil criticam restrições em Porto Alegre

Decreto entra em vigor a partir desta sexta-feira para esses segmentos

Felipe Samuel

Decreto, que entra em vigor a partir desta sexta-feira, proíbe o funcionamento da atividade da construção civil

publicidade

As alterações previstas no decreto da prefeitura de Porto Alegre que determinam restrições das atividades em vários setores por conta do novo coronavírus, desagradaram representantes da indústria e da construção civil. O decreto, que entra em vigor a partir desta sexta-feira para esses segmentos, proíbe o funcionamento da atividade da construção civil - com exceção às obras de serviços de saúde, segurança, educação e assistência social - e restringe o da indústria.  

O Sindicato das Indústrias da Construção Civil no Rio Grande do Sul (Sinduscon) critica a paralisação das atividades e projeta o fechamento de mais de 192 canteiros na Capital. 

De acordo com o presidente da entidade, Aquiles Dal Molin, desde 27 de abril, quando o setor retomou a atividade, não foi registrado nenhum caso da doença nos canteiros de obras. "O que comprova que a construção civil não é o vetor de contágio da Covid-19", observa.

Dal Molin reforça que as empresas estão cumprindo rigorosamente os protocolos de prevenção. "Consideramos não ser razoável a paralisação de uma atividade de tão grande relevância econômica e social”, afirma.

Medida agrava as perdas do setor

Insatisfeita com mais um decreto municipal que restringe as atividades industriais em Porto Alegre, a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs) também critica a decisão da Prefeitura.

Na avaliação da entidade, a medida agrava as perdas do setor, que já sofre com o impacto provocado pela pandemia do novo coronavírus. Conforme pesquisa da Fiergs, a atividade da indústria gaúcha caiu mais de 13% em abril, em relação a março, quando já havia recuado 10%.

O presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry avalia que é injustificável o aumento de restrições ao setor e alerta que as fábricas dispõem de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e já adotam novas práticas de prevenção contra a Covid-19. Para Petry, as mudanças constantes causam insegurança ao setor. "O industrial não pode programar sua produção e o empregado não sabe quando vai trabalhar, se vai trabalhar ou manter seu emprego”, justifica.

O dirigente ainda destaca a necessidade de investimentos para equipar e ampliar hospitais regionais e evitar a concentração de internações na Capital.

Com base em dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Petry alega que em Porto Alegre cerca de 65% dos leitos das unidades dedicadas à Covid-19 estão sendo utilizados por pacientes de outros municípios. "A Capital não pode ser penalizada por este fato", acrescenta.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895