Inmet alerta para risco de tempestade subtropical Yakecan virar furacão

Inmet alerta para risco de tempestade subtropical Yakecan virar furacão

Ministério do Desenvolvimento Regional afirmou que ventos devem superar os 100km/h

Correio do Povo

Ministério do Desenvolvimento Regional afirmou que ventos devem superar os 100km/h

publicidade

O Instituto Nacional de Meteorologia e a Marinha confirmaram o "alerta laranja" para a tempestade subtropical batizada de Yakecan, que deve atingir o Rio Grande do Sul com mais intensidade a partir da tarde desta terça-feira. Conforme os especialistas anunciaram em entrevista coletiva, realizada em Brasília na noite desta segunda-feira, os ventos devem superar os 100 km/h no trajeto da tempestade. 

Atualmente, encontra-se no "nível laranja" de alerta, podendo passar para o vermelho, nível máximo, conforme a evolução. Os ventos podem ultrapassar os 100 km/h, e devem ser mais fortes no Rio Grande do Sul a partir da tarde desta terça-feira e ao longo da noite, entrando na madrugada de quarta-feira.

A coletiva foi realizada no Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres, do Ministério do Desenvolvimento Regional, em Brasília. Conforme a coordenadora geral de meteorologia aplicada do Inmet, explicou sobre o monitoramento, desde a semana passada, de um ciclone subtropical que se desprendeu e mudou de categoria, passando então para tempestade subtropical - quando passam a receber nomes.

Veja Também

Conforme a configuração, além das 30 cidades do Rio Grande do Sul que podem ser atingidas, o Yakecan pode avançar para os territórios de Santa Catarina, Paraná, e chegar até a região sul de São Paulo. 

O Inmet também alertou para as baixas temperaturas em decorrência da frente fria. Em Brasília, por exemplo, as mínimas podem chegar a 6°C. Há possibilidade de neve nas serras gaúcha e catarinense, com forte incidência de geada em diversos pontos do país.

Defesa Civil do RS em alerta máximo 

Quem também participou da coletiva de forma remota foi o chefe da Defesa Civil no Rio Grande do Sul, coronel Julio Cesar Rocha Lopes. Ele garantiu que o órgão está em "alerta máximo" diante dos riscos para os moradores do Estado. 

A Defesa Civil também garantiu contato constante com as secretarias para minimizar os riscos. Afirmou, ainda, atenção especial aos municípios próximos à costa, onde os riscos de danos são maiores.

Ele também fez um apelo para que a população se cadastre para receber os alertas da Defesa Civil, via celular, no 40199, e siga o órgão nas redes sociais, para garantir acesso às informações oficiais.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895