Justiça adia audiências de desapropriações de famílias para construção da ponte do Guaíba

Justiça adia audiências de desapropriações de famílias para construção da ponte do Guaíba

Remarcações buscam incluir nas ações todas as 450 famílias atingidas

Franceli Stefani

Ponte deve ser parcialmente finalizada até dezembro

publicidade

Foram remarcadas para os dias 29, 30 e 31 de outubro as audiências de conciliação envolvendo ações de desapropriação relacionadas à construção da nova ponte sobre o Guaíba, na Capital. A 26ª Vara Federal de Porto Alegre suspendeu os encontros previstos para ocorrerem nesta terça e quarta-feira. De acordo com o juiz federal Hermes Siedler da Conceição Júnior, era preciso realizar algumas tratativas com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) para que a solução alcançada contemplasse todas as famílias.

Nessa segunda, durante reunião, o Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit) comprometeu-se a ajuizar – imediatamente – todas as ações que faltam para abarcar as cerca de 450 famílias atingidas. Até o último dia 11, haviam sido ajuizadas apenas 207 ações. “A solução é a conciliação, que poderá ocorrer sob três possibilidades: a compra assistida, um empreendimento na Ilha Grande dos Marinheiros ou a indenização pelo valor das benfeitorias”, diz o juiz.

Conforme o magistrado, o encontro foi positivo. “O departamento vai ajuizar todas as ações de desapropriação referente a todas as famílias afetadas na Ilha dos Marinheiros, sendo que a 26ª Vara Federal (vara especializada em Conciliação) fará as audiências de todos os processos”, acrescenta. Além das datas de outubro, já há encontros designados para a segunda semana de novembro, nos dias 6, 7 e 8, além de reserva de datas para dezembro. Tudo isso para que todos os processos sejam atendidos.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895