Justiça do Trabalho defere liminar que autoriza demissões de profissionais ligados ao Imesf
capa

Justiça do Trabalho defere liminar que autoriza demissões de profissionais ligados ao Imesf

Decisão garante os direitos e verbas rescisórias daqueles empregados que forem contratados por outras empresas ou entidades

Por
Correio do Povo

Demissões dos funcionários do Imesf foram autorizadas pelo TRT

publicidade

A Justiça do Trabalho deferiu parcialmente, na noite dessa sexta-feira, o pedido liminar proposto pela Prefeitura de Porto Alegre para a demissão de profissionais de saúde ligados ao Instituto Municipal de Estratégia de Saúde (Imesf). A informação consta em nota divulgada neste sábado pelo Executivo municipal. 

Segundo o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), Fabiano Holz Beserra, "a manutenção de contratos em aberto pode prejudicar a obtenção de novos postos de trabalho pelos empregados que têm empregos juridicamente precários. Assim, a liminar autoriza os impetrantes a efetivarem a demissão, garantidos todos os direitos e verbas rescisórias daqueles empregados que, no prazo do aviso prévio, forem contratados por outras empresas ou entidades."

Ainda conforme o desembargador, a efetivação da rescisão formal dos trabalhadores que a aceitarem não implicará qualquer prejuízo a eles, pois terão recebido as verbas rescisórias devidas e, além disso, adquirido um novo emprego, portanto não estarão desamparados.

No início de dezembro, a Prefeitura de Porto Alegre assinou Termo de Colaboração com quatro Organizações Sociais da Capital: Irmandade Santa Casa, Divina Providência, Instituto de Cardiologia e Associação Hospitalar Vila Nova, para o fornecimento de recursos humanos para manutenção e ampliação do atendimento em unidades de saúde. O documento assinado tem duração de 180 dias e garante o fornecimento de profissionais para as unidades de saúde da atenção básica.

De acordo com a Prefeitura, a medida possibilita a adesão imediata ao programa federal Saúde na Hora e o preenchimento de postos de trabalho vagos após a decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), em 2013, e reafirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), neste ano, pela inconstitucionalidade da lei que autorizou a criação do Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (Imesf). Atualmente, existem 34 cargos vagos de médicos em Equipes de Saúde da Família. 

Segundo a Prefeitura, com a contratualização com as entidades, é possível fazer as reposições e chegar a até 30 unidades com horário de funcionamento ampliado. "Além disso, com o novo modelo, o número de profissionais assistenciais do Imesf, que era de 834, vai saltar para 1.027", diz o texto do Executivo. A Prefeitura ainda aprovou na Câmara de Vereadores projeto de lei para criação de 864 cargos de agentes comunitários de saúde e agentes de endemias.