Leitora do Correio do Povo completa 100 anos e recebe homenagem

Leitora do Correio do Povo completa 100 anos e recebe homenagem

Wilma Pereira Moura teve primeiro contato com o jornal em 1930

Correio do Povo

Saguão do prédio virou local de homenagens

publicidade

Cercada de amigos e parentes, Wilma Pereira Moura comemorou neste domingo o aniversário de cem anos de forma inusitada: na entrada do prédio onde reside, no Centro Histórico. Sem poder realizar festa por conta da pandemia do novo coronavírus, a filha Rosa Marta, que é técnica em nutrição dietética, organizou uma surpresa para a mãe e enfeitou o hall do edifício com balões. Dezenas de pessoas se reuniram na rua Vigário José Inácio, próximo da avenida Mauá, para um abraço simbólico na aniversariante, que acompanhou a festa sentada em um poltrona colocada na porta do prédio.

A trajetória de vida da dona Wilma encontra paralelo com a do Correio do Povo. A pedido do pai Dulcídio, ela começou a ler o jornal para a avó Maria Anastácia, que tinha problema de visão. Isso em 1930, quando já frequentava a escola. De lá para cá, Wilma aprofundou o gosto pela leitura e mantém até hoje o hábito. "Todo dia de manhã acordo, tomo café e leio o Correio do Povo", afirma. Colorada fanática, daquelas que não perdem nenhum jogo, Wilma também gosta das reportagens das editorias de política e mundo. Rosa destaca que a mãe goza de boa saúde e não deixa de tomar um cálice de vinho à noite.

Por conta da pandemia, Rosa explica que ajuda a cuidar da mãe. Como moram no mesmo prédio, e no mesmo andar - oitavo - o almoço de domingo sempre é garantido em família. É na companhia do genro Alexandre que muitas vezes Wilma busca se atualizar das notícias via internet. "A minha mãe contou que meu avô era assinante do jornal. E desde pequena ela tinha que ler para a vó. "Ela sempre foi de ler, sempre está com jornal nas mãos", destaca. "De manhã cedo ela pega o jornal e vai tomar café. Ela comenta de tudo, de futebol à política", completa.

Emocionada com o carinho e a presença de tanta gente, Wilma ouviu as declarações de amigos e parentes, que utilizaram um microfone e caixa de som instalados no local. Balões brancos e laranjas, além do numeral 100 pendurado na faixa deram cores à festa. Usando máscara de proteção como todos os convidados, Wilma assistiu à apresentação de um saxofonista contratado para a ocasião. Em seguida, com um bolo colocado na mesa ao lado da cadeira, o público cantou parabéns. Foi o suficiente para a aniversariante se emocionar e deixar cair as lágrimas sob olhar atento dos vizinhos e motoristas que acompanhavam a cena inusitada no

Natural de Porto Alegre, Wilma nasceu em 27 de setembro de 1920. Estudou na Escola Rio Branco e sonhava em ser professora. "Mas foi aprender a bordar e se transformou numa bordadeira de mão cheia, conhecida pelos enxovais impecáveis", garante o neto Denys, que leu um discurso emocionado na frente do prédio. O jovem garante que a avó era uma cozinheira de mão cheia, com preferência para empadas de palmito, pudim de leite e bolos, mas hoje deixou de cozinhar. Wilma morou no bairro Rio Branco até setembro de 1961, quando se casou com Eloy Cunha Moura. O marido faleceu há 19 anos. Com isso, Rosa decidiu que era preciso morar mais próximo da mãe. "Há dez anos moramos no mesmo prédio, cada um em seu apartamento", comenta.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895