Médico afirma que "'nenhum veneno" foi encontrado no opositor russo Navalny

Médico afirma que "'nenhum veneno" foi encontrado no opositor russo Navalny

Anatoly Kalinichenko, vice-diretor do hospital de emergência Nº1 de Omsk, disse que não poderia declarar o diagnóstico devido à lei

AFP e Correio do Povo

Mais exames serão feitos

publicidade

"Nenhum veneno" foi descoberto no corpo do principal opositor russo, Alexei Navalny, hospitalizado em terapia intensiva na Sibéria após não ter se sentido bem, disse nesta sexta-feira um dos médicos responsáveis pelo estabelecimento, especificando que sua condição ainda era "instável". "Até o momento, nenhum veneno foi identificado no sangue e na urina, não há vestígios dessa presença", declarou Anatoly Kalinichenko, vice-diretor do hospital de emergência Nº1 de Omsk, onde o opositor foi admitido.

"Não acreditamos que ele tenha sofrido um envenenamento", continuou ele, acrescentando que não poderia declarar o diagnóstico de Navalny devido à lei, mas que havia notificado a família. Segundo ele, o estado é "instável", o que não permite sua transferência para o exterior, apesar da chegada a Omsk de um avião médico, fretado por uma ONG que espera levar o adversário à Alemanha.

A porta-voz do ferrenho crítico de Vladimir Putin e seu governo, Kira Yarmysh, criticou o posicionamento. "Uma hora atrás, fomos informados sobre um veneno mortal que é perigoso para os outros, e agora - que nenhuma toxina foi encontrada. O que está acontecendo com eles?", questionou nas redes sociais.

Ela desmentiu a infomação de que a família foi notificada sobre a causa da internação. "Yulia e Oleg Navalny não foram informados do diagnóstico de Alexei, apesar das declarações dos médicos. O que lhes foi dito é um conjunto de sintomas que podem ser interpretados de diferentes maneiras. Os médicos ainda não conseguiram estabelecer a causa da condição de Alexei".

Navalny, um dos maiores críticos do Kremlin, viajava de avião de Tomsk para Moscou quando passou mal. A aeronave teve que fazer um pouso de emergência em Omsk. O opositor foi internado, em coma natural, colocado na UTI e conectado a um respirador artificial. Seus aliados afirmam acreditar que ele foi vítima de "envenenamento intencional", "com algo misturado ao seu chá".


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895