Mais de 60% dos países violaram direitos humanos na pandemia

Mais de 60% dos países violaram direitos humanos na pandemia

Foram medidas consideradas "ilegais, desproporcionais, sem limite de tempo, ou desnecessárias", em ao menos uma esfera relativa às liberdades democráticas

AFP

Índia lidera a classificação mundial, com medidas consideradas "preocupantes" em nove dos 22 âmbitos examinados

publicidade

Seis em cada dez países do mundo adotaram medidas problemáticas em termos de direitos humanos, ou de normas democráticas para enfrentar a pandemia de coronavírus, afirma um relatório publicado nesta quarta-feira pela ONG International IDEA. O estudo envolvendo quase todos os países do mundo conclui que 61% das nações adotaram medidas consideradas "ilegais, desproporcionais, sem limite de tempo, ou desnecessárias", em ao menos uma esfera relativa às liberdades democráticas.

Embora 90% dos regimes autoritários tenham violado direitos fundamentais, a ONG, com sede em Estocolmo, especializada no estado da democracia no mundo, aponta que 43% dos países considerados democráticos também cometeram abusos. As conclusões eram previsíveis para os regimes autoritários, mas "o que é mais surpreendente é que tantas democracias tenham adotado medidas que são problemáticas", disse à AFP o secretário-geral da Organização, Kevin Casas-Zamora.

A ONG examinou as diferentes medidas adotadas em todo mundo para determinar se eram problemáticas, de um ponto de vista puramente democrático e sem considerar a eficácia para o sistema de saúde. Entre as medidas preocupantes citadas por Casas-Zamora estão as restrições à liberdade de imprensa em nome da luta contra a desinformação, a mobilização de militares para aplicar as regras, acampamentos para internar pacientes, corrupção em contratos de fornecimento na área da saúde e o tratamento dos migrantes.

A Índia lidera a classificação mundial, com medidas consideradas "preocupantes" em nove dos 22 âmbitos examinados (liberdade de movimento, de expressão, de imprensa, entre outras). Na sequência, aparecem Argélia e Bangladesh (8), seguidas por China, Egito, Malásia e Cuba (7). A Rússia é a primeira nação europeia, com seis áreas de preocupação, assim como Arábia Saudita, Mianmar, Jordânia, Sri Lanka e Zimbábue.

Na União Europeia, cinco países são mencionados: Bulgária (3 áreas), Hungria e Polônia (2), Eslováquia e Eslovênia (1). Os Estados Unidos aparecem em duas áreas. Israel foi mencionado em cinco. A Argentina também foi citada em duas. Países como França, Itália, Alemanha e Espanha não estão entre os mais bem posicionados, mas não provocam preocupação nesta área.

Entre os países citados como modelo, com bons resultados de saúde e respeito à democracia, estão Islândia, Finlândia, Nova Zelândia, Noruega, Coreia do Sul, Taiwan, Uruguai, Chipre, Japão, Senegal e Serra Leoa. "A pandemia foi um acelerador de tendências que já eram observadas antes do vírus. Os países mais autoritários foram ainda mais, enquanto as democracias com problemas para garantir o respeito dos direitos humanos agravaram sua situação", afirmou Casas-Zamora.

Nesta quarta-feira, a alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, estimou online com o relatório da IDEA que a pandemia "revelou as fissuras e fraquezas de nossas sociedades" e fragilizou os direitos humanos.

Não foram mais eficazes

O estudo contradiz a ideia de que os países mais autoritários foram mais eficientes na luta contra a pandemia. "Eles mesmos usariam de bom grado este argumento", afirmou Casas-Zamora. "Mas ao exemplo da China podemos opor os resultados da Nova Zelândia, e ao de Cuba, os da Finlândia", resume. Os bons resultados de saúde nos dois regimes autoritários "aconteceram ao custo de uma degradação importante da democracia e dos direitos humanos", denuncia o relatório.

Para Casas-Zamora, o próximo desafio para a saúde democrática dos países é o impacto da crise econômica. O estudo da ONG International IDEA começou em julho em colaboração com a Comissão Europeia e teve como base uma "observação mundial do impacto da Covid-19 na democracia". De acordo com a ONG, dos 162 países analisados, há 99 democracias, 33 regimes autoritários e 30 "híbridos". No total, 55% da população mundial vive atualmente em uma democracia.

 


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895