Mesmo com picos de superlotação, UPAs têm diminuição de pacientes em Porto Alegre

Mesmo com picos de superlotação, UPAs têm diminuição de pacientes em Porto Alegre

Secretaria Municipal da Saúde aponta que a redução das doenças respiratórias acabou por contribuir na baixa das internações

Cláudio Isaías

Secretaria Municipal de Saúde acredita que a redução das doenças respiratórias acabou por contribuir na baixa das internações nos Pronto Atendimentos

publicidade

Após apresentar picos de superlotação, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Porto Alegre estão começando a apresentar uma considerável diminuição no número de pacientes. Mesmo que as unidades da Bom Jesus, Lomba do Pinheiro, Bom Jesus, Cruzeiro do Sul e UPA Moacyr Scliar ainda apresentem mais de 100% de lotação, a demanda de pacientes não é mais tão alta nos últimos dias.

Até a movimentação, que nos meses de fevereiro e março era intensa na frente das instituições de saúde apresentou uma redução. Segundo o secretário municipal da Saúde (SMS), Mauro Sparta, a redução das doenças respiratórias acabou por contribuir na baixa das internações nos Pronto Atendimentos. Ele acredita que as pessoas estão se cuidando mais e respeitando os protocolos sanitários, o que acaba por refletir na ocupação das unidades.

O coordenador Municipal de Urgências da SMS, Diego Fraga, disse que medidas de distanciamento social, uso de máscara e higienização de mãos com água e sabão ou álcool em gel, além de não fazer aglomerações, são extremamente importantes para evitar a disseminação da Covid-19. A secretaria alerta que atendimentos de emergência são para casos de falta de ar aguda e cansaço em excesso, diferentes do habitual, acompanhados de febre permanente. Nessas situações, são indicados os prontos atendimentos Bom Jesus, Lomba do Pinheiro e Cruzeiro do Sul e a UPA Moacyr Scliar.

As unidades que estavam nos últimos três meses (janeiro, fevereiro e março) com o atendimento somente de casos graves, agora estão com os atendimentos normalizados e também de outras especialidades. Na manhã desta segunda-feira, nas unidades da Cruzeiro do Sul e da Bom Jesus, os servidores da saúde informavam o público sobre a situação dos prontos atendimentos. Como em dias anteriores, o setor de traumatologia do Pronto Atendimento da Cruzeiro do Sul (PACS) segue sendo um dos locais mais procurados pela população.

O PACS que possui 12 leitos tinha 34 pessoas em observação/internados, 13 pacientes aguardavam internação e não havia pessoas para serem encaminhadas a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A lotação na unidade atingiu nesta segunda-feira 283,33%.

No auge da superlotação do PACS, no mês de março, 40 pessoas estavam em observação/internados e 47 em atendimento pelos profissionais de saúde. Na época, a lotação no Pronto Atendimento (PA) da Cruzeiro do Sul chegou a 333,33%.

O PA da Bom Jesus também pela primeira vez não tinha nesta segunda-feira nenhum paciente aguardando vaga para internar na UTI. Os sete leitos da unidade estavam com 18 pessoas em observação/internados e 18 em atendimento. Um total de 12 pessoas aguardavam na manhã de terça-feira por uma internação. A lotação na UPA da Bom Jesus chegou a 257,14%.

No mês de março, os sete leitos adultos tinham 22 pessoas em observação/internados, 22 em atendimento e um paciente aguardava para ser transferido para uma UTI. Um total de 17 pessoas, estavam aguardando internação. A lotação na época atingiu 314,29%.

Na UPA Moacyr Scliar, na zona Norte da Capital, os números também apresentaram uma redução. A unidade tinha nesta segunda-feira 33 pacientes em observação/internados, 33 em atendimento e um tinha encaminhamento para a UTI. Um total de dez pessoas aguardavam internação e a lotação no local chegou a 194,12%.  A UPA Moacyr Scliar conta com 17 leitos adultos.

Em março, a UPA Moacyr Scliar registrou um total de 45 pacientes em observação/internados, dez aguardavam transferência para a UTI, 47 pessoas estavam em atendimento e 37 aguardavam internação. A lotação no período chegou a 264,71% na unidade.

Na Lomba do Pinheiro, o quadro na manhã de terça-feira foi bem diferente de um mês atrás. Um total de 13 pessoas estavam em observação/internados e 13 pacientes em atendimento. Uma pessoa esperava encaminhamento para a UTI e dez aguardavam pela internação. A lotação na unidade atingiu 144,44%.

Em março, a unidade da Lomba do Pinheiro tinha o quadro de 17 pacientes em observação/internados e sete pessoas em atendimento. A vaga pela UTI tinha um paciente na lista e oito pessoas esperavam pela internação. Na época, a lotação na UPA da Lomba do Pinheiro chegou a 188,89%.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895