Ministério da Saúde lança ação de vacinação em cidades fronteiriças

Ministério da Saúde lança ação de vacinação em cidades fronteiriças

Programa vai atingir 11 municípios no Rio Grande do Sul

Agência Brasil

publicidade

O Ministério da Saúde lançou, neste sábado, a Estratégia de Vacinação nas Fronteiras, com o objetivo de atualizar a caderneta de vacinação da população que vive na região de fronteiras entre Brasil, Peru e Colômbia. O programa foi lançado na cidade Tabatinga (AM) e, durante o evento, ocorreu no porto da cidade, próximo à tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, uma ação de imunização para atualizar a caderneta de vacinação da população local. O evento teve a participação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

De acordo com a pasta, serão priorizadas, nas populações locais, doses das vacinas tríplice viral (sarampo, caxumba, rubéola), pólio, febre amarela, Covid-19 e influenza em 33 municípios brasileiros, localizados em 10 estados: Acre (4 municípios), Amapá (1), Amazonas (1), Mato Grosso (1), Mato Grosso do Sul (7), Paraná (4), Rio Grande do Sul (11), Rondônia (1), Roraima (2) e Santa Catarina (1). A meta do Ministério da Saúde é atualizar a situação vacinal dos moradores dessas cidades. 

Os países que fazem fronteira com o Brasil devem ser convidados a aderir ao plano de vacinação, incluindo os municípios que fazem fronteiras com os 33 municípios brasileiros selecionados. Por isso, cidades estrangeiras também serão contempladas com a ação.  

“A vacinação, não só contra a Covid-19, mas contra todas as doenças que são evitadas por vacina, é uma grande estratégia de saúde pública”, disse o ministro Marcelo Queiroga. “A vacina é um direito de todos e um dever do Estado. E a população brasileira sabe a sua importância.”

A Estratégia de Vacinação nas Fronteiras vai até 10 de novembro e pretende melhorar a cobertura vacinal nas cidades fronteiriças e, com isso, evitar novos casos ou a reintrodução de doenças imunopreveníveis no Brasil. Dos 33 municípios incluídos no programa, 12% atingiram a meta de cobertura vacinal com pólio e tríplice viral e 6% para a febre amarela.


Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895