Monumento ao Laçador tem vigilância reforçada da Guarda Municipal em Porto Alegre

Monumento ao Laçador tem vigilância reforçada da Guarda Municipal em Porto Alegre

Objetivo é impedir um novo furto de máscara contra a Covid-19 pois pode danificar a estátua

Correio do Povo

Patrimônio histórico está protegido pelas equipes e também por câmera de monitoramento

publicidade

A Guarda Municipal de Porto Alegre mantém a vigilância do Monumento ao Laçador para evitar que seja danificada pelos vândalos que arrancaram uma máscara contra a Covid-19 na madrugada de terça-feira. Uma segunda “proteção facial” foi colocada na tarde do mesmo dia em que foi retirada por alguém contrário à intervenção artística no patrimônio histórico que tem autorização da Secretaria Municipal de Cultura.

O item, que mede 38 cm de altura por 46 cm de comprimento, feito de tecido cirúrgico e totalmente de algodão, de cor azulada, deve permanecer por 60 dias. A reportagem do Correio do Povo esteve novamente no local na manhã desta quarta-feira e constatou a presença de uma equipe com viatura no local, que fica ao lado da BR 116.

O comandante da Guarda Municipal, Marcelo do Nascimento, observou que o policiamento junto ao Monumento ao Laçador não será permanente, mas com as equipes aparecendo em horários variados e permanecendo por algum tempo. Ele revelou que uma câmera de monitoramento no entorno reforça a vigilância.

“Nosso receio é que uma próxima tentativa de retirada da máscara, a estátua seja danificada ao ser escalada”, enfatizou. Caso alguém seja visto escalando-a, a orientação é que sejam acionados imediatamente os telefones gratuitos 156 ou 153. Uma ocorrência foi registrada na Polícia Civil.

A máscara foi produzida pela costureira Samanta Almeida, de 34 anos, após ser desafiada no dia 7 deste mês pelo médico João Batista Pires a colocar o adereço no monumento. “Tem muitas pessoas contra o uso de máscara, achando desnecessário”, lamentou. “Ela é necessária. Precisamos nos preservar e usamos o Laçador por ser o principal modelo da nossa cultura”, afirmou. “Espero que dê tudo certo”, concluiu ela.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895