Moradores de Porto Alegre contabilizam estragos após temporal

Moradores de Porto Alegre contabilizam estragos após temporal

Defesa Civil da Capital disse que mais de 60 casas foram atingidas nos bairros Lami, Campo Novo e na vila Nazaré

Cláudio Isaías

Evonilda da Silva teve a casa de madeira destruída pela queda de um muro

publicidade

O temporal, acompanhado de vento forte, que atingiu Porto Alegre na tarde de domingo e na madrugada de segunda-feira causou diversos estragos na cidade. Na manhã desta segunda-feira foi possível ver os prejuízos decorrentes da instabilidade como a queda de árvores, de fios da rede elétrica, de muros e destelhamento de casas.

Na rua Ouro Preto nas proximidades da avenida Sertório, na zona Norte da Cidade, uma árvore de grande caiu na via e atingiu a rede elétrica. Em outro ponto da rua Ouro Preto com a rua Pedro Lessa caiu na via deixando o trânsito lento na região.

Na rua Aldrovando Leão, no bairro Vila Jardim, na zona Norte, um muro cedeu após temporal e destruiu uma casa. A dona de casa Evonilda da Silva Matos, 69 anos, que estava com um dos cachorrinhos que sobreviveu, disse ter ouvido um barulho e, em segundos, a “casa estava no chão", destacou a moradora.

A casa de madeira ficou totalmente destruída por um muro que cedeu devido ao temporal de domingo, no bairro Vila Jardim. A residência fica nos fundos de um condomínio e foi atingida pela estrutura de tijolos erguida para separar os dois terrenos. Moradora do bairro desde 1988, Evonilda da Silva disse que jamais imaginou que o muro pudesse cair.

"Consegui escapar porque fui ver o micro-ondas em outra peça da casa e neste momento houve o desabamento do muro no quarto"", ressaltou.

Dois cachorros foram para baixo da cama. Mas, a cadela Preta, uma vira-lata de dois anos, não teve a mesma sorte e acabou morrendo atingida pelo muro. Na rua Bagé, no bairro Petrópolis, os moradores tiveram que redobrar a atenção porque haviam fios caídos na via e enroscados em árvores.

Segundo a Defesa Civil de Porto Alegre, mais de 60 casas foram atingidas nos bairros Lami e Campo Novo, na zona Sul da cidade e também na vila Nazaré, na zona Norte da Capital. Para que não deixassem suas casas, os moradores receberam durante a madrugada lonas da Defesa Civil municipal.

Na rua Moema, no bairro Chácara da Pedras, na zona Norte, o professor Daniel Rocha, disse que não estava conseguindo dar aulas em função da falta de luz. O atendimento dos alunos residente nas cidades de Pelotas, Rio Grande, Bento Gonçalves, Porto Alegre e Caxias do Sul é todo feito pela internet. "Sem luz desde domingo não estou conseguindo trabalhar", lamentou.

O temporal registrado na tarde de domingo e madruga de segunda-feira deixou cerca de 130 mil clientes sem luz no Rio Grande do Sul. Na área de concessão da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), 61 mil clientes estavam sem energia elétrica no final da manhã. Durante a tarde de domingo, a CEEE chegou a registrar 245 mil consumidores com falta de abastecimento.

Segundo a Companhia, todas as equipes disponíveis foram colocadas para o atendimento das ocorrências. Foram feitos serviços mais complexos, como reconstrução de redes arrebentadas, poda de árvores e galhos de grande porte caídos, e substituição de postes.

A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb) informou que foram registrados pelo menos 100 casos envolvendo quedas de árvores ou galhos de grande porte, em atendimento por 11 Equipes de Manejo Arbóreo (EMA). Em alguns pontos pode haver a pendência da coleta dos resíduos, pois a prioridade das ações foca sempre nos locais que apresentam riscos à população, vias de grande circulação ou com bloqueios totais ou parciais.

Os trabalhos contaram com o apoio dos profissionais das equipes de zeladoria urbana do DMLU, que atuaram na limpeza e no recolhimento de lixo espalhados pelo temporal. A secretaria pede que as demandas da população sejam feitas pelo Fala Porto Alegre no telefone 156, para que os técnicos tomem conhecimento dos casos, com posterior envio das equipes.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895