Morre ex-vice-presidente dos EUA Walter Mondale, aos 93 anos

Morre ex-vice-presidente dos EUA Walter Mondale, aos 93 anos

Político concorreu contra Ronald Reagan e foi primeiro a formar chapa presidencial com uma mulher, Geraldine Ferraro

AFP

Democrata também foi embaixador no Japão

publicidade

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Walter Mondale, um ícone liberal do Partido Democrata, morreu nesta segunda-feira, aos 93 anos. A imprensa, que cita um comunicado familiar, não especifica as causas da morte do vice do democrata Jimmy Carter entre 1977 e 1981.

"Hoje lamento o falecimento de meu querido amigo Walter Mondale, que considero o melhor vice-presidente da história de nosso país", declarou Carter em um comunicado no qual ofereceu suas condolências à família de seu ex-número dois. "Ele foi um parceiro inestimável e um bom servidor para o povo de Minnesota, dos Estados Unidos e do mundo", acrescentou.

Antes de sua passagem pela Casa Branca, Mondale serviu em seu estado natal, Minnesota, como procurador-geral de 1960 a 1964 e depois como senador de 1964 a 1976. Mondale então serviu como embaixador no Japão entre 1993 e 1996, sob Bill Clinton.

Em 2008, ele endossou a candidatura de Hillary Clinton à presidência e mais tarde apoiou Barack Obama quando o democrata ganhou a indicação. O ex-presidente Obama disse que Mondale "defendeu causas progressistas e mudou o papel do vice-presidente".

A atual vice-presidente, Kamala Harris, afirmou em um comunicado que Mondale "levou uma vida extraordinária de serviço" e foi "muito generoso com sua sagacidade e sabedoria ao longo dos anos".

Nascido em 5 de janeiro de 1928, filho de um pastor metodista e uma professora de música, Walter Frederick "Fritz" Mondale foi um defensor dos direitos civis. Durante seu mandato no Senado, defendeu a educação, moradia, direitos dos trabalhadores migrantes e nutrição infantil.

Ele concorreu sem sucesso para a Casa Branca em 1984, desafiando o republicano Ronald Reagan, que foi reeleito. Mondale escolheu a deputada Geraldine Ferraro como sua companheira de chapa, se tornando o primeiro candidato norte-americano de um partido importante a incluir uma mulher na disputa presidencial.

Em 2014, sua esposa Joan Adams, com quem teve três filhos -Ted, William e Eleanor-, morreu após uma longa doença. Os dois primeiros filhos se dedicaram à política e Eleanor, que morreu em 2011 de câncer na cabeça, era jornalista.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895