Morre presidente da Associação dos Jornais do Interior do RS
capa

Morre presidente da Associação dos Jornais do Interior do RS

Renato Cesar de Carvalho, 64 anos, estava internado no Hospital São Vicente, em Cruz Alta

Por
Felipe Samuel

Renato também era diretor do jornal Semanário

publicidade

O diretor do jornal Semanário, de Tupanciretã, e presidente da Associação dos Jornais do Interior do Rio Grande do Sul (AdjoriRS), Renato Cesar de Carvalho morreu, neste domingo, em Cruz Alta em função de falência de múltiplos órgãos decorrente de uma infecção urinária. O jornalista tinha 64 anos e estava internado no Hospital São Vicente em Cruz Alta desde final de setembro, onde fazia tratamento. Ele deixa o casal de filhos Nathália, 35, e Teodoro, 17, e os netos Pedro Afonso e Iris Luiza.

O corpo será velado na capela São Camilo e o enterro no cemitério municipal de Tupanciretã, na Região Central do estado. O 1º vice-presidente da AdjoriRS, Jair Francisco de Souza, recebeu a notícia do falecimento do amigo em Capão da Canoa, onde trabalhava na recuperação do Centro de Cultura e Lazer da entidade. "No final de setembro ele foi internado para tratar de uma infecção nos rins. Chegou a melhorar mas a infecção voltou e ele precisou fazer hemodiálise", explica.

Conforme Souza, havia previsão de alta do hospital nos próximos dias. "A principal lembrança que ele deixa para os amigos é a vontade de viver. Ele sofreu acidente de carro aos 18 anos, no auge da juventude, e ficou quatro anos entre idas e vindas do hospital. Sempre lutou muito e nunca reclamava de nada", lembra. À frente da AdjoriRS desde 2016, Carvalho foi reeleito em 2018. Há pelo menos 30 anos ele comandava o Semanário, em Tupanciretã.

Themis Goretti, que foi casada com Carvalho, destaca que o jornalista foi internado em função de uma infecção urinária grave. Apesar disso, estava se recuperando bem e havia inclusive previsão de alta. "Ele fez quadro de septicemia (infecção generalizada) na terça-feira, que complicou as funções e piorou o quadro de insuficiência renal e o diabetes. Com isso ele teve falência de múltiplos órgãos. Ele ficou muito debilitado, mas lutou pela vida até o último minuto", reforça.

Ela lembra que Carvalho era uma pessoa independente, mesmo com dificuldades de locomoção. "Depois do acidente ele ficou deficiente físico, mas utilizava uma bengala para caminhar. Apesar disso, ele era totalmente independente na vida, viajava. Ele aproveitou bastante", destaca. Em 19 de dezembro, Carvalho iria completar 65 anos