Número de cidades gaúchas com políticas para saneamento básico cresce 350% em sete anos

Número de cidades gaúchas com políticas para saneamento básico cresce 350% em sete anos

Dados do IBGE mostram que RS está atrás apenas de SC na proporção de cidades com plano de investimento no setor

Raphaela Suzin

publicidade

Em 2017, 293 cidades gaúchas tinham plano de saneamento básico, regulamentado ou não. O número é 350% maior do que na última pesquisa realizada em 2011 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quando apenas 65 municípios tinham políticas para o abastecimento de água e tratamento de esgoto, consideradas essenciais para melhoria das condições de vida da população. Os planos municipais para o setor são exigências nacionais.

Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais, divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE, 58,9% das cidades gaúchas dizem ter políticas para saneamento. A informação corresponde ao ano passado, quando o levantamento foi realizado. Além disso, 13,8% (que corresponde a 69 cidades) ainda estavam elaborando suas políticas próprias na área.

Em todo o Estado, 135 municípios ainda não têm regras institucionalizadas para o saneamento básico. Das cinco maiores cidades do RS, apenas Caxias do Sul - com mais de 500 mil habitantes - ainda não tem um plano para o saneamento básico.

Apesar de o Rio Grande do Sul ser o segundo Estado com maiores proporções de municípios com Plano Municipal de Saneamento Básico, chegando a 75,5%, atrás apenas de Santa Catarina (87,1%), o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) Dieter Wartchow explica que muitos municípios dizem ter a política, mas não preenchem os requisitos mínimos exigidos por lei. "São meros papéis. O que queremos são políticas públicas que transformem as ferramentas em ação", ressaltou.

Projeto

Para tentar reverter essa situação, um projeto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul com a Funasa busca ajudar as administrações a elaborarem os planos. A iniciativa é coordenada por Wartchow que explica que, na primeira etapa, o projeto ajudou diversas cidades a construir medidas para o saneamento, como Herval, Hulha Negra, Chuí, Arambaré, Pedras Altas, Dona Francisca, Dona Margarida. Porto Lucena, Porto Vera Cruz, Horizontina, Salvador das Missões, Palmeira das Missões, entre outras.

“Estamos mobilizandoa população e capacitando servidores municipais para readequar sua política pública de saneamento de acordo com a normativa, já que a lei diz que se você não tem plano poderá ter dificuldade de acesso a recurso da União”.

Desafio

O principal desafio do Estado hoje é a destinação de resíduos sólidos, já que a exposição incorreta do lixo degrada o meio ambiente. O professor da Ufrgs explica que, apesar de alguns casos de sucesso, o Rio Grande do Sul ainda carece muito nesta área. "Os municípios hoje sofrem com a gestão porque não existe receita para cobrir os custos. Se não tenho receita, o serviço perde qualidade e deixa de ser executado", explicou.

Brasil

Dos 5.570 municípios brasileiros, apenas 2.126 informaram ter Política Municipal de Saneamento Básico em 2017. Apesar de somente 38,2% dos municípios terem políticas de esgoto e abastecimento de água, houve crescimento de 35,4% no número de cidades com planos se comparado a 2011, última pesquisa realizada.

A implantação de planos municipais aumentou no período devido à Lei Federal de Saneamento Básico - que trata da prestação do serviço - e do Decreto n. 7.217, de 21.06.2010, que regulamenta a lei, trazendo uma série de normas em relação à titularidade, à regulação, ao planejamento e à gestão de políticas para o saneamento.

Os números expõem uma desigualdade regional: enquanto 63,7% dos municípios do Sul têm políticas específicas para abastecimento de água e esgoto, apenas 18,6% das cidades do Nordeste possuem a legislação.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895