Nana se degrada a depressão tropical antes de chegar ao México

Nana se degrada a depressão tropical antes de chegar ao México

Ainda como furacão, Nana tocou terra no Belize, com chuvas fortes e constantes que não deixaram vítimas

AFP

Depressão registra ventos máximos de 55 quilômetros por hora, disse David de León

publicidade

Nana se enfraqueceu nesta quinta-feira na Guatemala, tornando-se uma depressão tropical antes de entrar no sudeste do México horas depois de tocar terra no Belize como furacão, com chuvas fortes e constantes que não deixaram vítimas nem danos significativos.

"Nana enfraqueceu para uma depressão tropical, movendo-se para o oeste, prevendo que as chuvas continuem nas regiões ocidentais" da Guatemala, disse David de León, porta-voz do Coordenador de Redução de Desastres (Conred).

De León explicou que a depressão registra ventos máximos de 55 quilômetros por hora e atinge principalmente os departamentos de Huehuetenango, Quiché, San Marcos, ao oeste e ao norte do país. "Nana está enfraquecendo rapidamente no norte da Guatemala e sudeste do México. Todos os avisos e alertas costeiros foram suspensos", disse o Centro Nacional de Furacões dos EUA.

Nana, que viajou pelo Caribe, atingiu o continente como um furacão pouco depois da meia-noite local (3h em Brasília), em um ponto entre Dangriga e Placencia, na costa central de Belize, cerca de 60 quilômetros ao sul da Cidade de Belize, afirmou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, sigla em inglês).

A Conred, responsável pela proteção da Guatemala, relatou queda de árvores e o colapso do teto de uma moradia no povoado de Morales.

Chuvas, ventos e falhas de energia

No Belize, o Serviço Meteorológico Nacional e a Organização Nacional de Gerenciamento de Emergências (NEMO) informou em um comunicado sobre chuvas abundantes e ventos fortes no distrito de Stann Creek e em outras regiões. Além disso, foram registradas falhas no fornecimento de energia elétrica, e o alerta de furacão, mantido ativo.

Em sua viagem pelo Caribe, Nana atingiu com força o departamento hondurenho das Ilhas da Baía, uma grande atração turística.

A Comissão Permanente de Contingências (Copeco) de Honduras estendeu o "alerta verde" de 7 para 11 dos 18 departamentos do país, incluindo Francisco Morazán, onde fica a capital, Tegucigalpa.

As fortes chuvas trazidas por Nana também podem causar inundações, danos à rede viária, deslizamentos de lahares (massas lodosas que carregam rochas e terra vulcânica) pelas ravinas dos vulcões Fuego (sudoeste) e Santiaguito (oeste), o que coloca em risco comunidades assentadas em áreas próximas.

Uma das preocupações é a saturação dos solos, devido às constantes chuvas da estação chuvosa que começou em maio e geralmente se estende até novembro.

Apesar de estar longe do caminho da tempestade, El Salvador declarou alerta "preventivamente" alerta em todo país, onde não houve impactos significativos da tempestade.

No final de maio e início de junho, as tempestades Amanda e Cristóbal deixaram 30 mortos em El Salvador, e cinco, na Guatemala, ao passarem pelo Norte da América Central.

A temporada de furacões de 2020, que vai de junho a novembro, está sendo mais ativa do que a média, com meteorologistas prevendo entre 19 e 25 tempestades tropicais. Destas, entre sete e 11 se tornarão furacões.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895