Nova reabertura pode incluir cursos e feiras livres na próxima semana em Porto Alegre

Nova reabertura pode incluir cursos e feiras livres na próxima semana em Porto Alegre

Medida vai depender de os casos de coronavírus não aumentarem na Capital

Cláudio Isaías

Cursos livres, como de dança, podem estar incluídos em nova flexibilização

publicidade

A prefeitura de Porto Alegre estuda para a próxima semana a liberação de outros setores da atividade econômica. A medida só vai ocorrer se os casos do novo coronavírus não tiveram um aumento na Capital. Existe a possibilidade da permissão de cursos livres - idiomas, dança e artes -, feiras livres - principalmente de artesanato - e a retirada da restrição do horário da construção civil, que hoje só pode funcionar das 9h às 16h. O anúncio foi feito nesta terça-feira pelo secretário Extraordinário de Enfrentamento ao Coronavírus, Bruno Miragem, ao explicar que seguem proibidos as aulas da educação infantil ao Ensino Superior das redes privadas e públicas, eventos e centros culturais, cinemas, casas noturnas e de shows, boates e similares, teatros, clubes sociais, saunas e parques de diversão. "Com relação a esses setores ainda não temos previsão de liberação", ressaltou. 

Miragem lembrou que no dia 23 de abril, a prefeitura já havia autorizado o reinício das atividades da construção civil e, em 24 de abril, das indústrias. Em 5 de maio, a prefeitura liberou a retomada controlada de MEIs, microempreendedores e pequenas empresas com faturamento anual de até R$ 360 mil. "Com uma maior circulação de pessoas na cidade em função da liberação de alguns estabelecimentos comerciais, estamos monitorando a questão do contágio da doença", explicou.    

No dia 22 de junho, a prefeitura liberou a reabertura dos shopping centers de Porto Alegre. O secretário ressaltou que o Escritório de Fiscalização da prefeitura conferiu o cumprimento das determinações do decreto 20.583 em dez estabelecimentos, além de um centro comercial. O decreto permitiu a retomada de uma série de atividades econômicas, entre as quais os shoppings estavam incluídos. Também foram liberados centros comerciais e galerias, restaurantes, igrejas e templos, equipamentos culturais e empresas dos setores de comércio e serviços.

A prefeitura já fiscalizou mais de dez mil estabelecimentos para conferir o cumprimento das normas relacionadas ao coronavírus. Ao todo, foram 10.046 comércios, indústrias e serviços verificados desde o dia 31 de março com a operação Esforço Concentrado Covid-19. Coordenada pelo Escritório de Fiscalização, a ação reúne agentes de oito órgãos municipais, que percorrem a Capital para garantir a efetividade dos decretos de enfrentamento da pandemia.

Dos locais averiguados até o momento, 200 foram interditados. A operação fiscaliza também os setores de transporte, obras, praças e parques, bem como faz orientação individual de pessoas. Já foram averiguados 8.558 ônibus, táxis e lotações. Da mesma forma, foram realizadas 4.689 verificações de praças e parques, e 3.785 pessoas foram orientadas a permanecer em casa e tomar os cuidados de saúde necessários. Em relação às obras, foram 296 vistorias e 19 interdições


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895