OMS utilizará letras gregas para nomear as variantes da Covid-19

OMS utilizará letras gregas para nomear as variantes da Covid-19

Variante identificada no Reino Unido foi denominada Alpha e a detectada no Brasil de Gamma

AFP

Variante identificada no Reino Unido foi denominada Alpha e a detectada no Brasil de Gamma

publicidade

Lembrar os nomes científicos das variantes da Covid-19, por exemplo B.1.617, B.1.1.7 ou B.1.351, é muito difícil, mas a OMS simplificará as coisas utilizando letras gregas.

A ideia é ter nomes "fáceis de pronunciar e lembrar", mas também evitar que o público em geral e a imprensa usem nomes que "estigmatizem e discriminem", afirmou a Organização Mundial da Saúde (OMS) em nota.

Nos Estados Unidos, por exemplo, os ataques contra pessoas de origem asiática aumentaram e Donald Trump, que foi presidente durante o primeiro ano da pandemia, fez todo o possível para acusar a China, onde a Covid-19 foi detectada pela primeira vez. Trump às vezes se referia ao vírus chinês ou "Kung Flu" (trocadilho com Kung Fu e 'flu', que significa gripe).

Os nomes científicos continuam a existir, pois fornecem dados úteis aos especialistas, mas a OMS não os usará em sua comunicação diária.

Desta forma, a variante B.1.1.7, previamente identificada no Reino Unido, foi denominada Alpha, B.1.351, identificada pela primeira vez na África do Sul, tornou-se Beta e a variante P.1, detectada no Brasil, Gamma.

A OMS também deu dois nomes diferentes às subvariantes de B.1.617 que devastaram a Índia e se espalharam para outros países: B.1.617.2 foi chamado de Delta e B.1.617.1 de Kappa.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895