“País em choque”, diz ministro da Justiça sobre tragédia em Capitólio

“País em choque”, diz ministro da Justiça sobre tragédia em Capitólio

Anderson Torres usou o Twitter para lamentar o acidente em Minas Gerais. Queda de paredão deixou oito mortos e dois desaparecidos

R7

Ministro manifestou-se pelo Twitter neste domingo

publicidade

O ministro da Justiça, Anderson Torres, usou as redes sociais para lamentar a tragédia que matou oito pessoas após a queda de um paredão de cânion em Capitólio, Minas Gerais. "O país amanhece em choque com as tristes cenas de ontem. Além de toda nossa solidariedade às famílias atingidas, a certeza da nossa ajuda direta", comentou o ministro em sua página no Twitter, neste domingo, e destacando a atuação da Polícia Federal (PF) no caso.

"O Ministério da Justiça, por meio da Polícia Federal, está na região em apoio à Polícia Civil de Minas Gerais. Romeu Zema (governador de Minas Gerais), conte conosco", finalizou o ministro. Neste domingo, papiloscopistas do Núcleo de Identificação da Polícia Federal devem chegar ao local para ajudar na identificação das vítimas. 

Na manhã deste domingo, o Corpo de Bombeiros confirmou a oitava morte em decorrência do desabamento. Duas pessoas seguem desaparecidas. 

De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), os corpos dos mortos confirmados pelos bombeiros foram enviados ao Instituto Médico Legal (IML) de Passos. Todas estavam na mesma embarcação, denominada "Jesus". A rocha que caiu atingiu pelo menos quatro lanchas. 

Outras 27 vítimas foram atendidas em unidades de saúde nas proximidades da atração turística e liberadas. Quatro pessoas ainda estão internadas, duas na Santa Casa de Piumhi, com fraturas expostas, e duas na Santa Casa de Passos.

A Defesa Civil diz acreditar que as mortes ocorreram por afogamento ou impacto do rochedo com a embarcação. As vítimas também terão as digitais coletadas, que serão encaminhadas para o Instituto de Análises e, se necessário, para a Polícia Federal, para identificação dos corpos.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895