Passagem digital dos ônibus intermunicipais estreia no RS

Passagem digital dos ônibus intermunicipais estreia no RS

Quem compra passagem pela internet agora poderá embarcar diretamente, sem a conhecida "troca do voucher"

Gabriel Guedes

publicidade

A compra de passagens de ônibus pela internet, faz tempo, já não é uma novidade. Entretanto, uma inovação deixou ainda mais prática a viagem com as empresas que percorrem trajetos rodoviários entre as cidades gaúchas. A Associação Riograndense de Transporte Intermunicipal (RTI) lançou recentemente o Bilhete Passagem Eletrônico (BPE), uma tecnologia que dispensa a troca do voucher da compra pela internet por uma passagem de ônibus antes do embarque. Procedimento que tinha que ser feito presencialmente no guichê da rodoviária, junto com a apresentação de um documento de identificação. Agora o usuário que comprar o tíquete pela web vai receber um e-mail com um código QR, bastando simplesmente se dirigir ao embarque para o destino escolhido e apresentá-lo pelo celular - ou ainda impresso, se preferir. As empresas Planalto, Ouro e Prata e Viação Santa Cruz começaram a usar o novo bilhete há uma semana nos embarques realizados na Capital.

A cliente Cristina Zago é uma das passageiras que já estão se beneficiando desta comodidade. Ela comprou a passagem pela internet e estava embarcando, ontem à tarde, na Rodoviária de Porto Alegre, para uma viagem à Santa Maria. "Eu compro sempre pela internet. Mas desta forma ficou mais prático. Não preciso trocar o voucher. Até por que minha impressora, em casa, mal funciona", conta.

No embarque, um funcionário da empresa possui um leitor de códigos de barras, que lê e faz a validação do código fornecido pelo cliente de posse do bilhete eletrônico. O processo é bem semelhante ao que é realizado nos aeroportos pelas companhias aéreas. "Esta é uma facilidade bem significativa aos nossos clientes. É prático e poupa tempo de quem vai viajar", destaca o coordenador de Implantação da Passagem Digital da RTI, Sandro Cezar Wachholz.

Para chegar até o BPE, as empresas, por meio da associação, tiveram que vencer a burocracia. "Foi necessário buscar a autorização da Sefaz (Secretaria Estadual da Fazenda), do Daer e da Agergs, além de contar com alterações na legislação", revela Wachholz. Isso, por que na lei estadual, o passageiro era obrigado a estar de posse de sua via da passagem, lembra. Às empresas, o processo eletrônico permitirá embarques mais ágeis e até mesmo em pequenas rodoviárias do interior, que operam com horários mais restritos. Também se prevê uma redução de custos, ao diminuir gastos com insumos para impressão de passagens nos guichês. "Vamos estudar melhor a jornada do passageiro, desde a compra da passagem até o destino. Queremos que eles utilizem cada vez mais o meio eletrônico", planeja. Dos 300 mil passageiros transportados mensalmente pela Planalto, por exemplo, 10% compram pela internet. "Esperamos que com o BPE este número aumente", prevê.

O bilhete eletrônico, reforça o coordenador, permite que as pessoas possam comprar passagem para uma outra e enviar por WhatsApp, por exemplo. "No e-mail há um PDF e uma imagem com o código de barras. Se a pessoa ficar de última hora sem celular, ela poderá também imprimir ou acessar de outro dispositivo, bastando entrar com seu login e senha no site da empresa onde foi feita a aquisição", explica.

A iniciativa, conforme Wachholz, vai seguir em expansão para mais empresas e aos passageiros do interior do estado. "Na próxima semana, a operação inicia na Embaixador, Unesul e Caxiense", anuciou. Também, segundo o representante da RTI, dentro pouco tempo, passageiros das linhas interestaduais poderão contar com a mesma facilidade.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895