Permissionários querem fazer a gestão Mercado Público de Porto Alegre

Permissionários querem fazer a gestão Mercado Público de Porto Alegre

Processo de concessão do centro de abastecimento está paralisado, mas um novo modelo será estudado para viabilizar a gestão do espaço

Cláudio Isaías

Processo de concessão está paralisado pela Justiça desde julho do ano passado

publicidade

Os 106 permissionários do Mercado Público de Porto Alegre querem que a gestão do espaço seja feita pelos "mercadeiros". A proposta foi manifestada ao prefeito Sebastião Melo durante um debate realizado na prefeitura sobre o futuro do centro de abastecimento mais popular da Capital. A presidente da Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc), Adriana Kauer, afirmou nesta quinta-feira que os empresários estão conversando quase que diariamente com todas as secretarias municipais sobre o tema. "Uma nova era está se iniciando com um prefeito que faz questão de vir estender a mão a todos nós”, ressaltou. No entanto, Adriana Kauer não adiantou como seria feita a gestão e por quanto tempo. "Ainda  estamos no início das conversações. Mas, o importante é que o diálogo voltou", destacou.

Nessa terça-feira, o prefeito Sebastião Melo liderou uma discussão sobre o futuro do Mercado Público com os representantes dos permissionários. O processo de concessão do centro de abastecimento, que previa recursos para investimento e operação, está paralisado pela Justiça desde julho do ano passado. No encontro, ficou acertado que um novo modelo será estudado para viabilizar a recuperação e a gestão do espaço.

Até o final deste mês, a Ascomepc vai apresentar um estudo de pré-viabilidade para uma possível operação urbana consorciada, que será debatida no âmbito do Município. Em paralelo, também serão definidas medidas para a reabertura do segundo piso atingido por um incêndio em julho de 2013. O secretário de Planejamento e Assuntos Estratégicos, Cezar Schirmer, que é responsável pela coordenação do processo de revitalização do Centro Histórico, ficará responsável com relação as discussões que envolvam o Mercado Público. "O Mercado Público é a alma da cidade e é um símbolo de toda a atenção que daremos à recuperação do Centro. A sugestão é que os empresários invistam no Centro, porque a prefeitura vai trabalhar muito por essa reconstrução", ressaltou o prefeito. 

Veja Também

Movimento tranquilo e sem aglomerações 

Na manhã desta quinta-feira, o movimento de pessoas foi tranquilo no Mercado Público de Porto Alegre. Não há mais a aglomeração de clientes no Largo Glênio Peres. Segundo Adriana Kauer, a medida adotada pelo prefeito Sebastião Melo de reabrir mais dois acessos facilitou o acesso ao centro de compras. "A aglomeração no Largo era terrível. A reabertura dos acessos depois de 10 meses fechados facilitou a circulação no Mercado", comentou. No novo decreto anunciado por Melo, na segunda-feira, consta que não haverá mais limite de ocupação de clientes no Mercado Público.

Desde os decretos anteriores, a ocupação do prédio não poderia ultrapassar 25% de sua capacidade, o que gerou inúmeros prejuízos aos "mercadeiros", segundo Adriana Kauer. “Mesmo cumprindo todas as determinações sanitárias, nunca obtivemos sucesso no nosso pleito ao solicitarmos à antiga administração que nos deixasse funcionar a pleno. Isso acarretou perdas que ainda levaremos algum tempo para recuperar”, revelou.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895