Porto Alegre começará vacinação de crianças contra Covid-19 no dia 19

Porto Alegre começará vacinação de crianças contra Covid-19 no dia 19

Imunização terá início com faixa etária de cinco a 11 anos com comorbidades

Correio do Povo

Vacinação de crianças na Capital começa no dia 19

publicidade

Seguindo a mesma data estipulada pelo governo do RS, Porto Alegre anunciou nesta terça-feira que começará a imunização contra a Covid-19 para as crianças no dia 19 de janeiro. A vacina pediátrica da Pfizer será aplicada inicialmente no público de cinco a 11 anos com comorbidades (como diabetes, hipertensão, asma ou meninos e meninas imunossuprimidos) ou com deficiência permanente.  

O próximo público a ser imunizado será o da faixa de cinco a 11 anos sem comorbidades, em ordem decrescente de idade. Dependendo do estoque de vacinas destinadas para a Capital, ainda em janeiro poderá ser iniciada a campanha de vacinação para 11 anos.

O esquema vacinal será composto por duas doses da vacina Pfizer destinada ao grupo infantil, com intervalo de oito semanas entre a primeira e a segunda (56 dias). A primeira remessa de imunizantes deve ser recebida pelo Núcleo de Imunizações da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no dia 17. Os locais para vacinação serão divulgados na próxima semana, antes de quarta-feira, para que pais ou responsáveis das crianças possam se planejar.

Veja Também

O diretor da Vigilância em Saúde (DVS) de Porto Alegre, Fernando Ritter, destaca que a vacinação não é obrigatória, mas consiste em um direito das crianças e das famílias. “A vacina da Pfizer vem sendo utilizada no mundo há dois meses em mais de 40 países, com mais de 8 milhões de doses aplicadas somente nos Estados Unidos, sem registro de eventos adversos importantes. Além disso, o risco de ter complicação com a Covid-19 é muito maior que a chance de algum efeito adverso importante”, frisa.

Para o gestor, a disponibilização da vacinação para as crianças é garantia de maior segurança à toda comunidade. “As crianças, ainda que geralmente não desenvolvam quadros graves da Covid-19, são vetores da doença, levando o vírus para suas casas ou escola. Elas podem colocar em risco outras pessoas, mais suscetíveis à infecção, como avós, pais com comorbidades, professores e funcionários de escolas. No Brasil, mais de 1,4 mil crianças já perderam a vida pela Covid-19, muito mais que todas as doenças preveníveis por vacinas existentes e disponíveis no calendário vacinal brasileiro”, destaca.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895