Porto Alegre registra 1,5 toneladas de lixo eleitoral no 1º turno das eleições de 2020

Porto Alegre registra 1,5 toneladas de lixo eleitoral no 1º turno das eleições de 2020

Segundo o DMLU, volume é menos que a metade do registrado no mesmo período das eleições de 2016 na Capital

Sidney de Jesus

Resíduos de lixo eleitoral serão encaminhados para o Aterro Sanitário, em Minas do Leão

publicidade

Após o primeiro turno das eleições em Porto Alegre, no último domingo, como de costume as ruas da cidade amanheceram tomadas pelo lixo de campanha eleitoral espalhados por candidatos e seus cabos eleitorais. O dia seguinte às eleições foi marcado pelo recolhimento e a limpeza pública do lixo acumulado deixado pelos eleitores. Na manhã desta segunda-feira, o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) deu continuidade à operação especial de limpeza das ruas, que teve inicio no domingo após o final do pleito.  

Veja Também

Com uma equipe itinerante de garis e motoristas, o DMLU realizou a varrição em todas as seções eleitorais, nas quatro regiões da cidade. Em dois dias de trabalho, cerca de 100 funcionários recolheram das ruas 1,5  toneladas de lixo eleitoral, entre santinhos, folders, panfletos e demais materiais de propaganda de campanha, espalhados pelo chão no entorno dos locais de votação. A montanha de lixo estava também pelas vias públicas. Na rua Nelson Duarte Brochado, próximo a PUC-RS, o lixo eleitoral quase entupiu a grelha pluvial devido à chuva que caiu de noite em Porto Alegre. Segundo o DMLU, o local onde mais se coletou resíduos de campanha foi a zona Norte da capital, com cerca de 580 quilos.   

De acordo com o diretor-geral do DMLU, Renê José Machado de Souza, o serviço especial foi feito para garantir a limpeza das ruas. Ele destacou que em 2020 houve uma redução no volume de coleta de lixo eleitoral em relação ao primeiro turno das últimas eleições municipais. “Foi uma redução significativa”, afirmou, lembrando que no mesmo período das eleições de 2016, o DMLU coletou cerca de 3,38 toneladas de material.

Segundo Renê, todos os resíduos gerados no primeiro turno das eleições de 2020 refletem o comportamento adotado frente à pandemia do novo coronavírus. “Como as estratégias das campanhas ficaram mais concentradas nos meios digitais, identificamos uma redução no quantitativo de panfletos e santinhos descartados irregularmente nas vis públicas, redução essa que impactou na operação de limpeza mais rápida e efetiva”, ressaltou. O diretor-geral do DMLU, Renê José Machado de Souza informou, ainda,  que os resíduos de lixo eleitoral serão encaminhados para o Aterro Sanitário, em Minas do Leão.     


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895