Preços do etanol e da gasolina apresentam leve queda no Rio Grande do Sul
capa

Preços do etanol e da gasolina apresentam leve queda no Rio Grande do Sul

Após semana de alta, etanol voltou a apresentar redução nos preços no Estado

Por
Correio do Povo e AE

O valor médio da gasolina vendido nos postos brasileiros subiu em 17 Estados brasileiros e no Distrito Federal

publicidade

Os preços médios da gasolina apresentaram leve queda no Rio Grande do Sul na semana passada, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados nesta segunda-feira. Na média dos 362 postos pesquisados, houve redução de R$ 0,010 no valor ante o período anterior, passando de R$ 4,436 para R$ 4,426. O menor preço encontrado para o combustível foi de R$ 3,990 – em Passo Fundo – e o máximo de R$ 5,239, em Bagé.

Em Porto Alegre, o valor médio caiu de R$ 4,372 para R$ 4,340. O posto com menor preço oferecia gasolina ao consumidor por R$ 4,219, já o local com mais caro tinha preço a R$ 4,426, acima da média estadual.

Já o etanol voltou a apresentar queda após uma semana de aumento: a substância orgânica recuou de R$ 3,982 para R$3,968. O menor valor encontrado foi de R$  3,679 e o maior R$ 4,949; foram pesquisados 163 postos. Apesar da baixa, o preço médio no RS foi o maior do País.

Gasolina sobe em 17 Estados e no DF

O valor médio da gasolina vendido nos postos brasileiros subiu em 17 Estados brasileiros e no Distrito Federal na semana passada, segundo dados da ANP. Houve queda em nove outras unidades da Federação. Na média nacional, o preço médio avançou 0,11% na semana sobre a anterior, de R$ 4,368 para R$ 4,373.

Em São Paulo, maior consumidor do País e com mais postos pesquisados, o litro da gasolina subiu 0,34%, de R$ 4,116 para R$ 4,130, em média. No Rio de Janeiro, o combustível recuou 0,27%, de R$ 4,832 para R$ 4,819, em média. Em Minas Gerais, houve alta no preço médio da gasolina de 0,30%, de R$ 4,639 para R$ 4,653 o litro.

Os preços médios do etanol continuaram vantajosos ante os da gasolina em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e Paraná, todos grandes produtores do biocombustível. O levantamento considera que o etanol de cana ou de milho, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.

Em Mato Grosso, o hidratado é vendido, em média, por 58,70% do preço da gasolina, em Goiás a 65,33% e em Minas Gerais a 62,86%. Em São Paulo, a paridade ficou em 64,29% e no Paraná em 69,01%. Na média dos postos pesquisados no País, a paridade é de 65,701% entre os preços médios de etanol e gasolina, também favorável ao biocombustível. A gasolina é mais vantajosa no Amapá, com a paridade de 90,88% para o preço do etanol.