Projeto quer levar Samu a todos os municípios do RS

Projeto quer levar Samu a todos os municípios do RS

Meta é integrar 226 cidades que não possuem o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

Gabriel Guedes

O projeto, lançado no final de 2020, segundo a secretária, tem nova apresentação, devido aos recursos de incentivo

publicidade

Durante a entrevista coletiva do governador Eduardo Leite, no final da tarde desta sexta-feira, junto ao anúncio de ajustes às medidas restritivas, foi comunicado a extensão do projeto Chamar 192. A meta é integrar 226 municípios que não possuem o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Para isso, os municípios deverão manter equipe com um motorista e técnico de enfermagem ou socorrista. A Secretaria Estadual de Saúde (SES) vai oferecer regulação e a título de incentivo, o estado vai pagar R$ 15 mil por adesão e R$ 15 mil por dois meses.  

“O transporte de todas aquelas pessoas que precisam de atendimento de urgência e emergência, precisa estar conectada à regulação estadual. Levando para o hospital mais próximo”, explica a secretária estadual de Saúde, Arita Bergmann. Segundo ela, a maioria destes municípios são de pequeno porte e sem acesso à regulação estadual.

O projeto, lançado no final de 2020, segundo a secretária, tem nova apresentação, devido aos recursos de incentivo. Na apresentação, foi informado que pelo menos 50 municípios já aderiram ao chamar 192. “O município precisa de telefone para o serviço, aderir ao sistema informatizado da regulação e equipe de atendimento, em regime presencial ou sobreaviso.

O governo gaúcho ainda anunciou a ferramenta Leitos UTI SUS, que permite acompanhar a evolução da disponibilidade de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Leite ainda rebateu as acusações, pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, que vem subtilizando recursos federais para a pandemia.

Na entrevista ao vivo, o governador disse que diante do atraso nos repasses do Ministério da Saúde, o Estado está pagando diárias de R$ 1,6 mil de mais 216 leitos de adulto que ainda não foram habilitados pelo Ministério da Saúde a receber recursos ou que não tiveram a habilitação prorrogada neste primeiro semestre de 2021. O governador ainda afirma que desde o início da pandemia, já foram utilizados R$ 12 milhões em recursos do Tesouro do Estado para o custeio de leitos de UTI Covid Adulto disponibilizados pelos hospitais e não habilitados pelo Ministério da Saúde. Esse valor foi distribuído para 146 leitos hospitalares.  

O Fundo Estadual da Saúde também foi destacado na apresentação do governador. Segundo ele, já foram repassados esta semana R$ 17,9 milhões aos municípios gaúchos que realizam a gestão de seus próprios serviços de saúde, recursos que podem ser utilizados inclusive para a locação de equipamentos como respiradores e monitores.

 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895