Protesto pede impeachment de Leite e critica medidas de restrições no comércio em Porto Alegre

Protesto pede impeachment de Leite e critica medidas de restrições no comércio em Porto Alegre

Manifestantes sem máscaras se aglomeraram no ato em frente ao Palácio Piratini, no Centro

Christian Bueller

Protesto ocorreu nesta terça-feira em frente ao Palácio Piratini

publicidade

Dezenas de pessoas participaram, na tarde desta terça-feira, de um protesto pedindo o impeachment do governador Eduardo Leite, em Porto Alegre. O ato liderado pela vereadora Fernanda Barth (PRTB) chegou ao Palácio Piratini, no Centro, onde manifestantes se aglomeraram, a maioria sem máscara, e alguns enrolados na bandeira do Brasil, fizeram discursos e gritos de ordem contra o chefe do Executivo estadual.

Motoristas buzinaram em apoio ao protesto denominado "Segurança para Viver, Liberdade para Trabalhar". O ato, pacífico, criticou Leite pelas restrições de diversas atividades comerciais que contribuíram com o aumento do desemprego e questionou o uso de recursos federais no combate à pandemia, em um tom semelhante ao de manifestações recentes na Serra e na Capital. "Queremos ações concretas do governo estadual, que faça mudanças na estrutura da saúde. Precisamos voltar a trabalhar, a conta sempre cai na cabeça dos que mais precisam. Queremos nossos direitos respeitados", salientou a vereadora.

Fernanda criticou o juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, que havia derrubado por meio de liminar o sistema de cogestão e as flexibilizações da bandeira preta do Distanciamento Controlado no Estado. "Estamos enfrentando uma ditadura de uma parte do Judiciário, que está comprometida ideologicamente", discursou a parlamentar, que transmitiu o trajeto da carreata pelas suas redes sociais.

A liminar foi suspensa no último domingo, mas as críticas aos juízes continuaram. "Devemos ter atenção ao comportamento do juiz, que já declarou posicionamento favorável à bandeira preta e já havia, inclusive, derrubado o kit-covid a pedido dos vereadores do PSol”, completou Fernanda. 

O magistrado atendeu, em fevereiro, a uma ação movida por parlamentares do PSol contra a iniciativa da prefeitura da Capital de fornecer medicamentos para tratamento precoce da Covid-19, atualmente sem comprovação científica de eficácia.

O juiz Eugênio Couto Terra opinou recentemente que a diminuição do contágio pela Covid-19 só ocorrerá com diminuição da circulação de pessoas com o funcionamento somente de atividades essenciais. A Brigada Militar e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) acompanharam a manifestação, monitorando e orientando as pessoas que passavam nas proximidades da Praça da Matriz.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895