Quais são os protocolos da bandeira preta do Distanciamento Controlado do RS

Quais são os protocolos da bandeira preta do Distanciamento Controlado do RS

Pela primeira vez, governo do RS apontou as regiões de Bagé e Pelotas com cenário epidemiológico crítico no mapa prévio

Correio do Povo

Pela primeira vez, governo do RS apontou as regiões de Bagé e Pelotas com cenário epidemiológico crítico no mapa prévio

publicidade

Pela primeira vez desde que o modelo de Distanciamento Controlado passou a vigorar, em maio, o governo do Sul classificou regiões em bandeira preta – de altíssimo risco de tarnsmissão do coronavírus. Foram os casos de Bagé e Pelotas, ambas situadas no Sul do Estado. A enquadramento aponta cenário epidemiológico crítico. Até domingo, as duas regiões, que juntas compreendem 28 municípios e 9,3% da população gaúcha,  podem ingressar com recursos para a reconsideração da leitura, que valerá a partir de terça-feira.

Também na terça-feira termina o decreto que suspendeu o modelo de cogestão do plano – que permite municípios adotarem protocolos mais brandos em relação à classificação do Estado. Na segunda-feira, o governador Eduardo Leite deverá informar se a medida será prolongada ou mantida. 

Veja o que muda com os protocolos da bandeira preta, elaborados pelo Piratini.

• Restaurantes e lancherias

Os protocolos de bandeira preta preveem que serviços ligados à alimentação, como restaurantes a la carte, prato feito e buffet sem autosserviço (em beira de estradas e rodovias), tenha atendimento presencial restrito a 25% da lotação e dos funcionários. O mesmo vale para lanchonetes, lancherias e bares. Já restaurantes de autosserviço devem ficar fechados pelo tempo que vigorar a bandeira. 

• Hotéis

A 14 dias do Natal, a rede de hotelaria das regiões que ficarem em bandeira preta deve operar com apenas 30% dos quartos e ficar com as áreas comuns fechadas. Neste caso, equipamentos, espreguiçadeiras, brinquedos infantis, piscinas, academias e quadras não poderão ser usados pelos clientes.

• Comércio

O fechamento total também deverá ser respeitado pelo comércio varejista não essencial, como os shoppings centers. Já o comércio de itens essenciais deve trabalhar com 25% da ocupação. Na bandeira preta, o teto de ocupação só vai ser mais flexível, de 50%, para o comércio de produtos alimentícios e de combustíveis. 

• Educação

Qualquer nível e instituição de educação fica fechada, apenas usando o ensino remoto e o teletrabalho, à exceção do ensino médio e superior que poderão ter funcionamento presencial restrito para conclusão de cursos da área de Saúde. Os protocolos da bandeira preta também vedam qualquer atividade ligada à cultura, arte, lazer e esportes nas regiões identificadas com a bandeira, inclusive eventos ligados ao Natal e Ano Novo.

Confira os protocolos na íntegra


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895