Quase todos os leitos hospitalares do Litoral Norte estão ocupados

Quase todos os leitos hospitalares do Litoral Norte estão ocupados

Lideranças da região intensificaram as mobilizações para tentar aliviar a situação de colapso da saúde

Gabriel Guedes

publicidade

A situação do sistema de saúde do Litoral Norte gaúcho, é uma das mais críticas do estado. Devido à Covid-19, hoje a ocupação dos 72 leitos de Unidade Terapia Intensiva (UTI) estava em 95,8%, o que significava que só havia mais três livres. Ao mesmo tempo, os 91 leitos de enfermaria exclusivos para tratamento da doença estavam todos ocupados e outros 24 foram disponibilizados e ocupados, atingindo uma taxa de lotação de 126,4%.

Dois dos principais hospitais da região, o de Osório e Torres, estão com todos os leitos de UTI ocupados. Além destes dois, estão com as enfermarias também superlotadas os de Tramandaí e Capão da Canoa, com uma lotação de 216%. O hospital de Santo Antônio da Patrulha, que não conta com UTI, se aproximava dos 100% da ocupação dos leitos clínicos no começo da tarde de ontem.

O Hospital São Vicente de Paulo, em Osório, por exemplo, nenhum dos 20 leitos de UTI estavam vagos. E dos 20 leitos clínicos, para pacientes menos críticos, todos e mais quatro extras estavam ocupados. Situação bastante caótica resultou em apelo do presidente da instituição, Marco Pereira, que tem relatado a rádios locais que o hospital tem quase que exclusivamente só pacientes com Covid-19. “Vamos nós fazer um lockdown em casa, conversem com seus filhos, e vamos manter os cuidados, caso contrário vamos perder muitas vidas, e isso é um dado”, alertou.

Em Santo Antônio da Patrulha, o hospital de pequeno porte tem recebido cerca de 115 pacientes por dia com sintomas de Covid-19. Na última semana, a instituição, administrada pela Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, ampliou de 17 para 33 leitos exclusivos para a doença. Mas só no sábado, 23 já haviam sido internados e neste domingo, já eram 29, segundo do painel de monitoramento da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Também foi registrado o óbito de um paciente que aguardava por leito de UTI há 5 dias.

Desde sexta-feira, várias lideranças da região intensificaram as mobilizações para tentar aliviar a situação de colapso da saúde. Em uma nota do presidente da Associação dos Municípios do Litoral Norte (Amlinorte) e prefeito de Itati, Flori Werb, assinada em conjunto com o deputado federal Alceu Moreira e o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Gabriel Souza, eles reforçaram o diálogo com o governo do Estado, bem como o monitoramento da situação. “Estamos em contato permanente com a SES, através da secretária Arita Bergmann e do diretor do Departamento de Regulação, Eduardo Elsade, em monitoramento constante para o deslocamento destes pacientes para os hospitais de outras regiões”, informaram.

No documento ainda consta que um comitê de monitoramento paralelo ao sistema de regulação da SES foi montado pela entidade, para acompanhar em tempo real o quadro do Litoral. “Reforçamos o apelo do poder público e também dos profissionais de saúde para que todos respeitem as regras sanitárias e evitem aglomerações. O momento é crítico, difícil e exige a união de todos”, reitera o documento.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895