Queiroga confirma recomendação de suspender vacina contra Covid-19 para adolescentes

Queiroga confirma recomendação de suspender vacina contra Covid-19 para adolescentes

Orientação é vacinar menores de 18 anos apenas com deficiências permanentes, comorbidades ou privados de liberdade

R7 e Correio do Povo

Queiroga concede entrevista coletiva sobre vacinação de adolescentes

publicidade

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou em coletiva na tarde desta quinta-feira (16) que o governo federal decidiu suspender a recomendação de vacinar irrestritamente adolescentes entre 12 e 17 anos. A orientação do Ministério é que só sejam vacinadas pessoas nessa faixa etária com deficiências permanentes, comorbidades ou privadas de liberdade. Em 2 de setembro, o Ministério havia publicado uma nota recomendando a vacinação de todo o público.

"É importante seguir as orientações do Plano Nacional de Imunização (PNI). A nota técnica fala da vacinação de adolescentes com comorbidades e privados de liberdade. Não tem como o Ministério da Saúde assumir situações fora do orientado pelo PNI. Não apliquem vacinas que não tem autorização da Anvisa", afirmou o ministro. 

Durante a coletiva, Queiroga afirmou que "de forma intempestiva" quase 3,5 milhões de crianças e adolescentes entre 12 e 17 anos foram vacinados. Deste público, 1,5 mil apresentaram eventos adversos.

Veja Também

Queiroga criticou os estados que iniciaram as aplicações antes da data prevista na nota técnica anterior. "Quem fica surpreso sou eu porque essa vacinação em adolescente era para ter começado no dia 15. Inclusive, foram feitas imunizações com vacinas fora das recomendações da Anvisa. Quero a colaboração dos secretários de Saúde para seguir as orientações da Anvisa", afirmou. 

O ministro explicou que a mudança foi feita "por conta dos eventos adversos e porque o próprio Reino Unido retirou (...). A evidência científica não é sólida." Queiroga destacou ainda que aqueles adolescentes que já tomaram a primeira dose não devem completar o esquema vacinal, exceto se fizerem parte dos grupos prioritários. A nova orientação vale “até que se tenha mais evidências para seguir adiante”.

Os adolescentes com comorbidades que receberam a primeira dose da vacina que não a da Pfizer também terão o esquema vacinal interrompido, segundo a recomendação do Ministério. "Não vou autorizar intercambialidade de doses nessa faixa etária", disse Queiroga.

Depois da nova recomendação, que foi divulgada pela imprensa na manhã de hoje, Natal e Salvador já anunciaram a suspensão. No Distrito Federal, o governador Ibaneis Rocha (MDB) afirmou ao R7 está suspenso o início da vacinação contra a Covid-19 para adolescentes a partir de 13 anos. O recuo veio minutos depois do anúncio da ampliação da campanha para essa faixa etária nesta sexta-feira (17).

 

Nova recomendação

O documento com a nova recomendação, que consta no Sistema Eletrônico de Informação (SEI), diz que a "Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, na Nota Técnica nº 40/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/MS, revisou a recomendação para imunização contra COVID-19 em adolescentes de 12 a 17 anos, restringindo o seu emprego somente aos adolescentes de 12 a 17 anos que apresentem deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade, apesar da autorização pela Anvisa do uso da Vacina Cominarty (Pfizer/Biontech)".

Entre as justificativam que constam no documento para a não imunização do grupo estão: a Organização Mundial de Saúde não recomenda a imunização de criança e adolescente, com ou sem comorbidades; a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela Covid-19 apresentam evolução benigna, apresentando-se assintomáticos ou oligossintomáticos; somente um imunizante foi avaliado em ECR; os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos. O documento tem assinatura de Rosana Leite de Melo, secretária Extraordinário de Enfrentamento à Covid-19, e foi assinado eletronicamente em 15 de setembro, às 21h30.

Porto Alegre segue vacinação 

Em Porto Alegre, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) afirmou que irá manter a vacinação de adolescentes sem comorbidades contra a Covid-19. A pasta alegou que não foi notificada oficialmente, até o início da tarde desta quinta-feira, pelo Ministério da Saúde sobre a mudança na orientação de aplicação das doses no público.

A Capital aplica a primeira dose da Pfizer, única vacina autorizada para menores de idade, em jovens de 15 anos ou mais.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou na tarde de hoje que o prosseguimento da campanha de vacinação no Estado será reavaliado quando o Ministério da Saúde enviar uma nova remessa de vacinas da Pfizer para aplicação da primeira dose.  


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895