Queiroga fala em "tirar de uma vez por todas essas máscaras"

Queiroga fala em "tirar de uma vez por todas essas máscaras"

Ministro da Saúde disse que "caráter pandêmico" da Covid-19 acabará no Brasil até o fim do ano

R7

Queiroga fala em "tirar de uma vez por todas essas máscaras"

publicidade

Em um discurso sem máscara na manhã desta quarta-feira (11), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, subiu o tom contra críticos da gestão do governo federal na pandemia e voltou a sinalizar o abandono da proteção facial no fim do ano. "Garanto a vocês, em nome do (presidente Jair) Bolsonaro, que até o final do ano toda a população brasileira estará vacinada. Até o final do ano, poremos fim ao caráter pandêmico dessa doença no Brasil e vamos poder tirar de uma vez por todas essas máscaras. E desmascarar aqueles que, mesmo que nunca tenham usado máscaras, precisam ser desmascarados."

O ministro, que participou da inauguração de uma unidade básica de saúde em Paranoá (DF), permaneceu de máscara durante o evento, mas retirou na hora de falar. Ele salientou que cerca de 70% dos brasileiros acima de 18 anos já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19 e prometeu que até setembro este grupo todo terá ao menos uma dose. A previsão do governo é concluir a aplicação da segunda dose nos adultos até dezembro.

Medida precoce

A medida de abandonar o uso de máscaras é apontada como precoce por especialistas em todo o mundo. Países com patamar mais elevado de vacinação do que o Brasil, como os Estados Unidos — onde 61,2% dos adultos estão completamente vacinados — , voltaram a exigir o uso de máscaras em ambientes fechados.

Não foi a primeira vez que Queiroga sinalizou o fim do uso de máscaras. No fim de julho, ele afirmou que "logo, logo" a proteção não seria mais necessária. "À medida que o número de óbitos diminui e a gente avança na campanha de vacinação, logo, logo não precisaremos mais de máscara", disse Queiroga, em conversa no Palácio do Planalto com jornalistas.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895