capa

Reajuste em tarifas do transporte desagrada usuários

Ônibus, lotações e Trensurb começaram a operar com novos preços nesta quarta-feira

Por
Cláudio Isaías

Reajuste no valor do transporte público e seletivo desagradou usuários

publicidade

O aumento das tarifas de ônibus e de lotação em Porto Alegre e da Trensurb desagradou a população. Nos terminais de embarque, tanto dos ônibus e das lotações no Centro Histórico, quanto nas estações do trem na Região Metropolitana, os usuários reclamaram dos novos valores que entraram em vigor na quarta-feira. 

Na rua Sete de Setembro, a manicure Edilamara Lima, moradora do bairro Higienópolis, lamentou o reajuste da tarifa do táxi-lotação de R$ 6,00 para R$ 6,60. “Com esse aumento, a opção vai ser utilizar os aplicativos para realizar os deslocamentos pela cidade”, ressaltou. Ela informou que se permanecer utilizando a linha Hospital Conceição vai gastar R$ 76,00 por semana – de segunda a sexta-feira. 

Um motorista da lotação linha Hospital Conceição, que pediu para não ser identificado, decidiu confeccionar um cartaz com o novo preço. “Muita gente entrou no veículo e pensou que ainda custava R$ 6,00”, explicou o condutor que pedia que aos usuários que facilitassem o troco com moedas de cinco, dez e cinquenta centavos. Ele afirmou ainda que um dia antes avisou os passageiros sobre o aumento. 

Enquanto aguardava pelo transporte da linha Jardim Leopoldina, na avenida Borges de Medeiros, a técnica de enfermagem Isabel Fernandes, residente no bairro Santana, considerou um absurdo o preço do transporte seletivo. “Utilizo o serviço pelo conforto e rapidez, mas essa tarifa está muito cara”, ressaltou.

No terminal da Praça Parobé, a diarista Sônia Vieira, moradora da Ilha da Pintada, afirmou que ficou muito indignada com a tarifa de R$ 4,70 que está sendo cobrada nos ônibus. “É um abuso esse novo valor”, destacou a profissional que vai passar a gastar R$ 47,00 por semana com o transporte público. Ela utiliza dois ônibus para chegar até o seu local de trabalho. 

Já Deise da Silva Machado, que mora em Sapucaia do Sul e trabalha em Porto Alegre, fez as contas e avaliou que o prejuízo com o transporte será grande. Ela usa trem e ônibus para chegar ao serviço. Por semana, com o trem, ela vai desembolsar R$ 42,00 e com o ônibus será R$ 47,00. Na estação Mercado do Trensurb, os usuários consideraram um exagero o reajuste da tarifa que passou de R$ 3,30 para R$ 4,20. 

A auxiliar administrativa Renata Lombardi, moradora de Esteio, disse que infelizmente o salário dos trabalhadores não acompanha os reajustes das tarifas do transporte público. Já Marina Moraes, de Canoas, revelou ter ficado surpresa com o novo valor da passagem. Uma pessoa que recebe um salário mínimo de R$ 998,00 e que trabalhe de segunda a sexta-feira vai desembolsar R$ 188,00 ao mês para utilizar o ônibus. 

O trem metropolitano atende seis municípios: Porto Alegre, Canoas, Esteio, Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Novo Hamburgo e transporta 170 mil passageiros por dia. Com o reajuste, a empresa promete uma série de melhorias. Entre os projetos a serem contemplados também estão a recuperação e melhoria dos sistemas operacionais, como a via permanente, a rede aérea de energia, a sinalização de segurança e o abastecimento de energia elétrica, além da acessibilidade das estações