Relatório da Fepam aponta que qualidade da água do Guaíba permanece estável

Relatório da Fepam aponta que qualidade da água do Guaíba permanece estável

Mais cedo, Dmae afirmou que odor ou gosto estranhos não foram mais detectados

Correio do Povo

Qualidade da água do Guaíba permanece estável, de acordo com relatório da Fepam

publicidade

A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e a Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema) divulgaram nesta quarta-feira os resultados da 6ª semana de monitoramento da qualidade da água do Guaíba. Os resultados se mostraram semelhantes aos da semana anterior.

De acordo com os dados divulgados nesta quarta, o ponto de coleta situado a sul da casa de bombas nº 5 do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) segue tento a maior degradação da qualidade da água. Neste ponto os valores dos parâmetros DBO e fósforo total indicam aumento de carga orgânica e/ou de nutrientes. As amostras analisadas foram coletadas no dia 8 de agosto.

Pela manhã, o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) divulgou nota onde afirmou que a percepção sensorial e os resultados analíticos dos últimos 15 dias não detectaram mais alterações de gosto ou odor nas estações de água tratada em Porto Alegre. “Podemos informar a volta à normalidade da nossa água tratada. Além dos painéis sensoriais, estamos completando, pela primeira vez desde o final de maio, uma semana sem reclamações de gosto e odor da água através do Sistema 156”, afirmo o diretor-geral do Dmae, Antônio Elisandro de Oliveira.

O Dmae alertou, entretanto, para a possibilidade de algumas pessoas ainda sentirem, pontualmente, o desconforto de cheiro e gosto na água, pois a cidade tem uma rede de mais de 4 mil quilômetros de tubulações e mais de cem reservatórios públicos (fora as caixas d´água particulares), que podem estar com retenção de resíduos da água afetada pelas alterações há mais tempo.

O relatório técnico das campanhas de monitoramento da Fepam e Seman que vai avaliar os resultados dos boletins semanais de acordo com os parâmetros estabelecidos na resolução 357/2005 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) será divulgado em outubro. A resolução Conama 357/2005 é aplicada à avaliação da qualidade da água bruta, considerado usos múltiplos, não sendo adequada para verificação do atendimento de padrões de potabilidade de água tratada. A potabilidade, objeto da portaria 2.914/2011 do Ministério da Saúde, é avaliada, rotineiramente, pelos departamentos municipais de água e esgotos.

Confira aqui os resultados dos parâmetros físico-químicos e microbiológicos analisados ao longo das campanhas de amostragem realizados nas seis semanas.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895