Rodeio Nacional de Porto Alegre atrai milhares no Parque da Harmonia
capa

Rodeio Nacional de Porto Alegre atrai milhares no Parque da Harmonia

Tradição passa de pai para filho no evento realizado há mais de década

Por
Jézica Bruno

Tradição passa de pai para filho no evento realizado há mais de década

publicidade

Famílias de todos os cantos do Rio Grande do Sul e de outros Estados estão reunidas no Parque Harmonia, na Capital, para cultuar a tradição do gaúcho no Rodeio Nacional de Porto Alegre. A 14ª edição do evento, que começou nesta quinta-feira e se estenderá até domingo, já reúne centenas de pessoas acampadas em galpões e barracas na espera pelas provas de laço, rédea e gineteada. Também está sendo realizado no local o I Congresso Brasileiro de Laço e Bem Estar animal de Rodeio.

A tradição gaúcha está refletida em cada canto do parque seja no lenço vermelho dos peões, que não deixam os maragatos escapar da memória, no chimarrão que faz nascer a roda de conversa ou no churrasco que atrai dezenas pelo cheiro da carne e pela fumaça que sai da brasa no fogo de chão. Os cavalos e o gado incrementam a festa que já ultrapassou uma década. Muitos dos animais carregam o nome dos grandes líderes e heróis que foram mortos em uma guerra jamais esquecida.

A família Antunes, de Santana do Livramento, manteve a tradição por três gerações. Adão de Souza Antunes, de 70 anos, levou o filho e os netos para o rodeio depois de uma viagem de sete horas até a Capital. No primeiro dia ele já havia conquistado o segundo lugar na prova de Laço Veterano. “Viajamos 500 quilômetros de ônibus para chegar até aqui e trouxemos toda família para o acampamento. O que não pode acontecer é perdermos o rodeio”, contou.

Assim como os Antunes, milhares de outras famílias chegam ao Rio Grande do Sul. No ano passado o evento reuniu 350 mil pessoas. “Vem laçadores de São Paulo, do Pará, do Mato Grosso do Sul e vários outros lugares. Todos querem praticar essa modalidade esportiva que hoje também atinge a cidade e não só o campo”, explicou o coordenador do evento, presidente do Sindicato Rural de Porto Alegre e da Federação Gaúcha de Laço Cléber Vieira. Segundo ele, 80% dos 1,8 mil competidores do rodeio vivem em área urbana.